CONFINS

O tempo social é influenciado pela linguagem que restringe e fixa conceitos prévios e modos de pensar – uma defesa do tempo, Harold Innis

Categoria: rede social Page 1 of 6

A história de uma derrota

 
A articulação do movimento ambientalista brasileiro, a criação da fundação sos mata atlântica, a crise dos jornais, o nascimento e os primeiros passos da internet e da rede, a sociedade industrial e a era do conhecimento são os temas deste depoimento dado em 2004 para o BIOCLIMA em função das comemorações dos 18 anos da SOS Mata Atlântica. A rede é o caminho da solução para a questão ambiental.

“A nossa geração – tenho 50 anos de idade – por mais que você trabalhe intensamente com computador e as tecnologias digitais – tem limitações de entendimento, compreensão das possibilidades da rede. Não nascemos com ela implantada e amadurecida. Ela não está no nosso cortex, não é uma extensão da nossa inteligência. As gerações futuras não, isso vai estar imbuído dentro da inteligência do indivíduo, da sua capacidade de articulação e expressão. O que a rede exponencia é justamente isso, a articulação, a forma de se expressar, de se comunicar. No futuro, as redes vão se auto criar. Serão processos quase autônomos.”

Projeto: SOS Mata Atlântica 18 Anos

Depoimento de: Rodrigo Lara Mesquita

Entrevistado por: Beth Quintino e Rodrigo Godoy

Local: São Paulo, 20 de dezembro de 2004

Realização: Museu da Pessoa

Transcrito por: Denise Boschetti

Copydescado por: Rodrigo Mesq

P/1- Bom dia, Rodrigo Mesquita. Eu queria te agradecer por ter vindo dar o seu depoimento e gostaria que você começasse falando seu nome, data e local de nascimento.

R- Bom dia. Meu nome é Rodrigo Lara Mesquita. Nasci em 9 de março de 1954, em São Paulo.

P/1- Rodrigo, e seus pais, são de São Paulo?

R- Ruy Mesquita e Laura Lara Mesquita, também nascidos em São Paulo.

P/1- A sua formação?

R- Estudei História na USP.

P/1- Você veio de uma família ligada à imprensa, jornalismo?

R- Isso.

P/1- O seu pai, qual a formação dele?

R- Meu pai fez Filosofia e Direito, mas não se formou em nenhuma das duas

P/1- E você nasceu em São Paulo. E você morava onde na sua infância?

R- Morei no Pacaembu a vida inteira, até casar.

P/1- E como era na sua infância a região Pacaembu?

R- A primeira rua que eu morei foi a Itapitangüi, que fica ali numa ilha, até hoje privilegiada do Pacaembu. Era uma rua que ainda tinha terreno baldio e onde ainda era possível você ter turma de rua.

Nós tínhamos turma de rua, que tinha gente de classe média como a gente e tinha também menino de rua. Enfim, uma vida ainda de brincar em terreno baldio, um monte de primos meus moravam muito perto da gente. Eu tenho uma lembrança muito prazerosa da minha relação com a cidade quando era menino.

P/1- Você tem irmãos?

R- Tenho três irmãos.

P/1- E eram todos da mesma faixa etária?

R- Eu tenho 50. Um irmão de 49, um de 51 e um outro de 53.

P/1- E como era essa relação em casa, essa vida familiar?

R- Desde o início uma relação muito forte com o país, com responsabilidade cívica, com participação. Muita história do início da República, tudo muito relacionado com o jornal O Estado de S Paulo. Uma educação liberal e aberta.

Júlio Mesquita e o seu conceito de redes sociais, no início do século

P/1- Até por conta do Estado de São Paulo, ligado à imprensa, vocês tiveram uma educação privilegiada de informações? Como era isso em casa?

R- As grandes questões brasileiras estavam no nosso almoço e jantar, e em todos os encontros familiares também, que tinha sempre a presença do meu avô, todos os meus tios trabalhavam no jornal. Enfim, o processo político, econômico e social do país é presente desde que nós nascemos. A frase que eu mais lembro do meu pai, na minha infância, é que nós tínhamos uma dívida com a sociedade e por mais que nós fizéssemos, nunca íamos pagar completamente essa dívida.

P/1- E numa família ligada a esse tipo de informação, ao jornalismo, você acabou indo fazer história e não foi pro Jornalismo.

R- Sou jorjnalista, um profissional de informação e comunicação – hoje muito voltado para interação com e do público através da internet, da rede. Trabalho com o que chamamos hoje de redes de colaboração, conhecimento e negócios, vivo no meio.

Acho uma bobagem você fazer faculdade de jornalismo; o que pode lhe ensinar uma faculdade de jornalismo? A escrever, a fazer lead, a como ser repórter? Acho que para tudo na vida, você precisa ter uma base de conhecimento.

Essa lei que obriga cursar uma faculdade de jornalismo para poder exercer a profissão é anterior à minha formação. Sou jornalista comissionado. Minha carteira de trabalho é de jornalista.

Historicamente, o jornal privilegiava gente formada em Filosofia, Sociologia, História, Economia, Direito. Um bom repórter é um sujeito que tem gana de querer saber as coisas, aprender, fazer perguntas boas, fazer as perguntas certas.

Fui fazer História pensando em ser jornalista. Acho que um país, para ter um compromisso com ele próprio, precisa ter um entendimento muito forte do seu passado e do seu presente. A cidadania começa com isso, senão você não tem futuro. E de certa forma o jornalismo é a História do dia a dia, o primeiro registro. Acho que tinha tudo a ver fazer História com o objetivo de ser jornalista.

P/1- E como que foi nessa época, que você estava na USP fazendo História? Como que era esse período?

R- Foi um período também divertido. Entrei na faculdade em meados dos anos 70. Não peguei os anos mais tensos, já havia um processo de abertura do governo militar.

A História era uma Faculdade bastante ideologizada. Tinha uma boa relação com todas as tendências ideológicas da faculdade. Nunca me considerei um sujeito ideológico; tento entender o contexto no qual estou inserido e procuro ter uma noção de para onde está indo e quais são as variantes possíveis. Mas nunca me senti militante, nem da área ambiental. Sempre fui uma pessoa que tentei procurar entender o meu entorno para poder me posicionar em relação ao futuro – e sou um pouco pessimista em relação ao processo histórico.

O grande teórico, para mim, é o Fernand Braudel, um historiador francês, que esteve no grupo fundador da USP e depois, quando morreu com mais de 90 anos, nos anos 80,  também tinha neste final da vida uma visão pessimista.

Lembro-me de uma entrevista dele falando sobre progresso, no final da vida. Ele falava que se você considerar progresso conquistas materiais e manter vivo um número maior de pessoas, a história da humanidade foi sempre avançando nesse sentido, do ano zero até hoje. Agora, se você considerar progresso momentos de criação, de desenvolvimento, de felicidade e bem estar, teve alguns lapsos de progresso; o processo é ciclotímico, não é evolutivo em termos positivos para Braudel.

P/1- Essa sua trajetória, a faculdade, a USP, quando que você começa trabalhar no jornal?

R- Estava já há dois anos na faculdade, foi no ano de 1977. Começo trabalhar no jornal como separador de telegramas; era terceiro filho, toda empresa é um bicho conservador, na S/A “O Estado de São Paulo”, tinha na minha geração quatro primogênitos. Entrei lá com o objetivo de ser jornalista e ponto.

Meu plano de vôo era ficar sete a dez anos dentro de uma redação, participar de todos os processos – repórter, copidescagem, edição, trabalhar em diversas editorias – e a partir de sete, oito, dez anos,  me colocar como repórter especial. Meu sonho de infância era ser o cronista dos confins, considerando que os confins podem estar numa esquina de São Paulo ou num cantão da Amazônia, ou no Oriente Médio, no Alaska, o que seja. Era esse o meu plano de vôo.

Por uma série de circunstancias no meu processo de vida rpofissional, acabei – depois de 12 anos trabalhando na redação e estando com uma carreira de jornalista ascendente e despontando para o público – abandonando a carreira de jornalista para empreender dentro da S/A “O Estado de S  Paulo”.

Os jornais, as empresas jornalísticas, o apogeu delas ocorreu entre o final do século XIX e a Segunda Guerra Mundial. A partir da Segunda Guerra Mundial,  começa uma crise, que vem se acirrando nos últimos anos, onde há uma evasão de publicidade, portanto de receita e de leitores. Os jornais deixam de crescer proporcionalmente às comunidades que eles estavam inseridos e começam a ter evasão de receitas. E a nossa empresa, em função da sua própria história, acabou valorizando mais o seu lado institucional do que seu lado empresarial.

Eu já estava há 12 anos na redação, assistindo e convivendo com diversas crises financeiras da empresa. Considerei que se nenhum Mesquita fosse empreender, ninguém iria empreender e nós íamos acabar, não íamos nunca sair dessas crises recorrentes da empresa. Voltei-me pra telecomunicações e computação. Fui pra Agência Estado, que era uma unidade operacional do grupo e tinha uma receita negativa de 400 mil reais. Comecei o que chamo o Projeto Agência Estado.

Hoje, a Agência é uma empresa que trabalha voltada para mercados profissionais, tem um expressivo faturamento e uma expressiva lucratividade, além de um potencial de crescimento ainda bastante grande, nesse mundo de redes.

Quando comecei o projeto, não tinha Internet – falar em rede era uma coisa bastante relativa. A primeira rede de distribuição da Agência Estado era baseada numa tecnologia de FM. Você usava a sub-banda de FM, de uma rádio qualquer, para distribuir informação  numa área restrita de forma broadcast. E isso foi uma grande inovação em relação à antiga rede de telex que tínhamos na Agência.

Quando comecei o projeto Agência Estado,  nosso foco era o mercado financeiro, não era a área ambiental. O motivo de  ter me voltado para o mercado financeiro foi que, naquela época, era o único que estava aparelhado para consumir a informação recebida através de telecomunicações e para ser processada em computador e que poderia sustentar um negócio de informação.

O objetivo era aprender a trabalhar com telecomunicações e as tecnologias digitais e o que está em torno delas, neste mercado. Foi o que  fiz. No futuro este aprendizado poderia ajudar os jornais a achar um novo caminho para os classificados.

P/1- Rodrigo, voltando um pouquinho, porque eu achei curioso como você começou na Agência… Sendo um Mesquita, entrando no jornal pra separar telegramas, como que foi isso?

R- Foi uma coisa premeditada minha. Como estava dizendo, na minha geração, a empresa tem seis famílias acionistas; você tinha quatro primogênitos, que desde a nossa adolescência disputavam a posição primeira da empresa. O meu objetivo era ser um jornalista profissional e achei que deveria entrar pelo ‘bê-a-ba’, que era separação de telegrama, quem fazia isso eram os contínuos.

Então fiquei um ano e meio de chefe dos contínuo. Na época você recebia todas as informações por telegrama, era também uma posição estratégica porque você fazia a primeira divisão para cada uma das editorias do jornal. Isso lhe dava uma noção muito apurada do fluxo de informação de cada uma das editorias, que evidentemente é variável – você tem momentos que está com a crise na editoria internacional; no outro na de economia, no outro na geral, cidade. Mas existe um fluxo que, apesar das crises, se mantém.

É também um ponto de observação da redação e do comportamento dos profissionais. Quer dizer, como eu tinha o sobrenome Mesquita, na hora que  botei o pé na redação, era visto como filho do Ruy Mesquita, neto do Julio Mesquita Filho e bisneto do Júlio Mesquita, não como Rodrigo. Também era, como já disse, um bom ponto pra entender o comportamento da corporação de profissionais que eu estava entrando, quais eram as regras – que toda corporação de profissionais tem a sua regra, tem a sua ética – quais eram as regras, qual era a ética, pra ir me inserindo paulatinamente e ser visto e aceito como um profissional qualquer.

Fiz bem a minha lição de casa… (risos) Fui visto e entendido como profissional; depois desse período de um ano, um ano e pouco na separação de telegramas, comecei a trabalhar como copydesk da editoria internacional. O Jornal da Tarde usava muito a copidescagem  para construção de matérias. De matérias elaboradas, não era simplesmente  pentear os telegramas das agências internacionais, como de uma forma geral se faz hoje. Depois, trabalhei como repórter, trabalhei como sub-editor, trabalhei como editor, trabalhei em quatro, cinco seções do jornal, fiz coberturas internacionais, cobertura de guerra e fiz também coberturas aqui em problemas de ocupação de terras.

Na época eu estava com 20 e poucos anos. O Sul da Amazônia estava no início do processo de ocupação. O litoral norte de São Paulo e todo o litoral Sul também estava nesta situação. A pressão de ocupação começou no final dos anos 70 com a construção da BR-101. Até os anos 70 o litoral Norte de São Paulo era habitado pelas comunidades tradicionais, que foram expulsas depois com o processo da BR-101.

Então em termos de vida profissional foi este início o meu no Jornal da Tarde. Foi a época mais divertida da minha vida, os quatro, cinco primeiros anos. O Jornal da Tarde era um laboratório, uma redação muito livre, muito inteligente, muito viva. Consolidei o meu aprendizado profissional em formação de jornalista, ali, com aquela redação.

P/1- O seu envolvimento com as causas ambientais é anterior a essa sua fase de matérias de ocupação ou vem depois?

R- O meu interesse pela questão ambiental veio quase que por herança – ou é atávico. Meu pai gostava de pescar e tinha uma casa em Cubatão de Cananéia , que na época era uma vila de caiçaras. A nosa casa era a única de gente de fora.

Conheci essa região do Lagamar de Iguape, Cananéia, Paranaguá, totalmente virgem. Talvez ali em Cananéia tivesse gente que tinha motor de popa, mas em Cubatão de Cananéia o nosso era o único motor de popa que existia; conheci esse complexo ainda com todo o seu potencial de criadouro, sem estar depredado pela pressão da sociedade contemporânea.

Depois disso meu pai comprou um barco, que ele usava muito. Passei dos meus 11 anos aos 18 descendo todo o fim de semana para o  Guarujá, na sexta-feira, e saindo, indo para os Alcatrazes,  para Queimada, para as ilhas, o Montão de Trigo, a Lage de Santos ou para Ilha Bela, indo para o mar com este barco. Quando tinha feriado, a gente fazia viagens mais longas, no verão íamos para o Rio, para os Abrolhos no Sul da Bahia; enfim, conheci esse litoral ainda não atacado.

Tive uma relação muito forte, durante todo esse período, com as comunidades caiçaras dessas regiões, principalmente  na região de Cananéia, Iguape e Paranaguá. Mas também em Ilha Bela, nas praias do Litoral Norte, também em Angra dos Reis. E depois comecei a assistir a depredação.

Agora, O Estado sempre teve uma preocupação muito forte com a questão ambiental. Meu avô, em reportagens no início do século passado,  começou trabalhando no jornal fazendo uma matéria sobre a necessidade de São Paulo ter Hortos Florestais em função da pressão que estava tendo sobre as florestas paulistas por causa das ferrovias e o processo de ocupação do Estado – mas inicialmente eram as ferrovias.

Há uma série de matérias dele que vim a descobrir quando já estava trabalhando no jornal. Um exemplo desta preocupação do jornal é o Parque da Ilha do Cardoso, no começo Parque Estadual, que foi criadol em função de uma campanha d de O Estado nos anos 60.

Então é uma questão de racionalidade. Não foi em consequência da causa ambiental. Quando fui trabalhar com reportagem, pensei: “Com o sobrenome Mesquita, filho do Ruy Mesquita, não vou poder ser repórter econômico, repórter político; se  for falar com uma fonte importante na área de economia ou de política, ele não estará falando comigo, estará falando com o Ruy Mesquita, falando com o jornal”.

Em função disso resolvi trabalhar com micros e pequenas empresas – fiz uma série de reportagens antológicas sobre PMEs sob o título Os guerrilheiros da prosperidade nacional – e com questões de ocupação de terra, cujos problemas se acentuavam na época. O meio ambiente, neste contexto, foi decorrência.

Os militares tinham a preocupação com o que consideravam a consilidação do Estado Nacional. Por isso,  financiaram a Globo, o império da Globo, com o nosso dinheiro. Financiarama a infraestrutura da rede da TV em nome da unidade nacional.

Eu entrei nas questões de ocupação de terra.  E em relação à Cananéia, meu pai vendeu a casa quando comprou o barco; e eu gostava muito de lá e uma vez por ano levava um motor de popa, arrumava uma canoa de alumínio, punha 300 litros de gasolina e descia em direção ao Paraná. E ficava na casa de algum caiçara, em alguma vila. Acabei me fixando na casa do Acir. Esse senhor Acir morava na Baia dos Pinheiros, que é uma sub-bacia da Baia de Paranaguá.

A casa do seu Acir, no fundo baía dos Pinheiros

A casa dele ficava no fundo da baia, na foz do Rio Real, que era um rio importante da Ilha de Superagüi, um dos rios mais importantes da Ilha de Superagüi. Morava numa casa de pau roliço, protegida do vento sul por um morro. Acabei ficando amigo dele. E passava 15 a 20 dias por ano na casa dele, até que fui estudar em Paris.

Era para fazer um mestrado, mas acabei ficando como ouvinte, um ano e meio do curso de Ecodesenvolvimento na École des Hautes Études. Quando voltei, na primeira oportunidade que  tive, desci para Cananéia e fui para a casa do seu Acir. Era uma viagem longa: atravessava a baía da Trapandé, pegava o canal do Ararapira e, depois, o canal do Varadorouro.

Quando atravessei a fronteira de São Paulo, começo a encontrar placas de uma companhia, da Companhia Agropastoril Litorânea do Paraná – Capela – dizendo que tudo aquilo era propriedade dela. Tanto as ilhas – você ali tem a Ilha do Superagüi, depois a ilha das Peças e, depois do outro lado da ilha das Peças, a ilha do Mel e a cidade de Paranaguá – quanto o continente. A baía de Paranaguá começa na ilha de Superagüi, que forma a sub baía dos Pinheiros, onde Hans Staden chegou na sua primeira viagem, por volta de 1570, e descreve esta chegada  nesta baía, numa noite de tempestade em seu livro.

A Capela tinha grilado também a área do continente. Cheguei à casa do Acir e ele estava desesperado. Um povo estranho tinha chegado fazia quase um ano se dizendo proprietários, tinham trazido gente, estavam fazendo desmatamento. E eu, nessas duas semanas  de férias ali na casa dele, fui levantar o que estava acontecendo e vi que era um grilo claro.

Voltei para São Paulo e peguei esse assunto para trabalhar jornalisticamente. Acionei a nossa sucursal em Curitiba, que era dirigida na época pelo Dirceu Pio, um jornalista de primeiro time, e onde estava começando o Laurentino Gomes, que hoje virou escritor de renome. E começamos a levantar esse quadro.

Foi mais de um ano esse trabalho, com dezenas de matérias que publicamos no jornal. E acabamos conseguindo levantar a documentação que esta empresa tinha, que era alguma coisa que rolou na Câmara de Guaraqueçaba, município no fundo da Baía de Paranaguá, em 1948. Os documentos da ata da Câmara estavam rasurados. A documentação deles falava numa suposta doação justamente na data das atas rasuradas.

Conseguimos levantar todo o contexto mostrando que era um grilo. Esse grupo era um grupo importante, era o Grupo Asamar, um grupo mineiro, cuja origem era siderurgia, mas que atuava em Minas, atuava em São Paulo, atuava no Rio e atuava em Curitiba. Tinham diversas coisas além da siderurgia – revendedora de automóvel, coisas de turismo e por aí. Lá, eles estavam  retirando madeira para fazer carvão e tinham um projeto turístico. Tinham cercado as últimas comunidades de caiçaras, vilas do litoral de São Paulo e Paraná. Dezenas de vilas.

Fui a cada uma das vilas conversar com as lideranças delas e estava todo mundo desesperado. Os caras tinham cercado as vilas com arame farpado, tinham fechado o acesso para as roças que eles tinham de mandioca, e estavam soltando búfalo na área. Foi neste processo de cobertura do que estava acontecendo ali no litoral – o litoral do Paraná tem cerca de 90 kms e essa empresa tinha grilado cerca de 60 km dos 90 – que comecei a me envolver com o movimento ambientalista.

Uma região linda: a praia de Superagüi, uma única praia, que se chama Praia Deserta,  tem 30 km; tem a praia da Ilha das Peças, que é a próxima, tem mais praias tanto na frente do mar, quanto para dentro do canal. Os caras tinham grilado essas duas ilhas e tinham grilado o continente – Batuva, no interior, estava com problemas. Uma vilazinha no interior de Guaraqueçaba, na direção de São Paulo. No interior, tinham adulterado os mapas da serra do mar para tirar financiamento do IBDF, o antigo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal.

Foi no processo de levantamento desta situação – o Jornal da Tarde já tinha se envolvido com a questão da usina atômica ali atrás de Iguape, na Juréia, e com o Aeroporto de São Paulo em Caucaia – que me envolvi com as pessoas que viriam a fundar a SOS Mata Atlântica: o José Pedro de Oliveira Costa, o Roberto Klabin, a Silvia, Adriana Matoso, o Paulo Nogueira Neto, o João Paulo Capobianco, que já eram todos fontes do meu amigo e jornalista Randau Marques, também fundador da fundação.

Começamos a nos articular. Inicialmente a minha relação com esse grupo foi em função do levantamento dessa questão de grilo no Litoral do Paraná. E a determinada altura, alguém no grupo me sugeriu institucionalizarmos esta luta criando uma entidade não governamental em São Paulo para trabalhar em torno dessas questões. Achei interessante, achei interessante institucionalizar aquela articulação que estávamos criando. Achei interessante trabalhar com um grupo que tivesse o mesmo objetivo e que esse objetivo fosse fundamentado também em certo idealismo. E entrei no processo.

P/1- E nesse período que você fala que encontrou algumas pessoas que montaram a SOS, existia outras ONGs nessa época, outras pessoas que estavam em outros grupos?

R- Você tinha a FBCN,  Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza, a mais antiga do Brasil, mas andava um pouco parada, algumas entidades locais em Curitiba. Aqui em São Paulo você tinha uma articulação em torno da OIKOS, que foi fundada pelo Randau Marques, pelo Fábio, pelo Roberto Klabin e por um espanhol que  não me lembro o nome. Mas era uma entidade muito local e para ajudar a legitimar um discurso, não tinha  a dimensão do SOS Mata Atlântica nem da pretensão que estava na cabeça das pessoas que formaram o SOS Mata Atlântica, entre eles o Zé Pedro, o Fábio e o Roberto.

P/1- Essas pessoas com quem você começa a conviver, a se relacionar, elas tinham um modelo de ONG de defesa ambiental que vinha de fora ou não?

R- Não, não tinham modelo, tinham a idéia inicial. Houve a tentativa de fazer uma usina atômica ali no litoral sul de São Paulo, na Juréia.

P/2- Juréia.

R- Juréia. Em função da resistência para que a usina não fosse feita ali houve uma articulação, que era a base deste grupo. Você tinha também o João Paulo Capobianco, o Born, o grupo agora não estou me lembrando exatamente o nome deles.

Depois veio a questão do aeroporto de São Paulo, em Caucaia. Logo depois, veio a questão da BR-101, que iria devastar o Lagamar, de Iguape, Cananéia e Paranaguá. Tudo isso, intensificou a articulação, ampliou a articulação. E daí começou uma discussão de que deveríamos procurar ter uma participação ativa no processo político.

Começou assim a Fundação SOS Mata Atlântica. O primeiro artifício foi lançar a candidatura do Fábio Feldmann. Imaginávamos que ele não iria ser eleito, que ele iria ter 40, 50 e poucos mil votos, não ia ser eleito, mas isso ficava como ativo, essa massa de votos ficava como ativo da SOS Mata Atlântica, de gente simpática, para você começar a fazer um cadastro, enfim, você ter massa crítica para poder trabalhar e dar sustentação política. Mas o Fábio acabou sendo eleito,  num ano que teve uma abstenção muito forte.

Se não me engano ele teve 48 mil votos, alguma coisa por aí, e foi eleito. E ele que era para ser o presidente da SOS. Daí a SOS, que ainda era uma entidade só com registro e estatuto, enfim os primeiros passos, ficou órfã.

O meu objetivo era que o Roberto Klabin assumisse a presidência, mas o Roberto não quis – apareceu uma oportunidade para ele assumir a Fundação Florestal, que tinha um orçamento, que tinha uma estrutura, e ele acabou indo pra lá. Daí a SOS sobrou na minha mão. Tive então um alto grau de responsabilidade na estruturação da fundação, mas não fui o único.

No início da SOS, o meu papel era político; estava começando o projeto Agência Estado. Dava de manhã o expediente na SOS e a tarde e a noite no jornal e na Agência. Botei o João Carlos Meirelles Filho, o Clayton Lino e o João Paulo Capobianco como os executivos da SOS. O Capobianco para fazer a relação com o público em geral, o Clayton Lino era o homem de projetos de campo, projetos técnicos e o João Carlos era captação, captação de sócios, captação de recursos.

Mandei o João Carlos para os Estados Unidos, conseguimos uma bolsa nos Estados Unidos, e ele ficou ali seis meses estudando como as entidades americanas se relacionavam com o público para fazer captação de recursos. Ele arrumou uma boca para nós entrarmos com um projeto na Fundação MacArthur e nós entramos com um projeto guarda chuva. Reivindicamos 400 mil dólares de investimento e a Fundação MacArthur deu. Na época foi a maior doação que eles tinham feito para uma entidade não governamental fora dos Estados Unidos.

Antes disso, nós tínhamos lançado a campanha da SOS “Estão tirando o verde da nossa terra”,  que foi uma articulação minha e do João Carlos Meirelles Filho. O João Carlos procurou o pessoal da DPZ e eles criaram a campanha. Articulei com um velho diretor do Estado, que já morreu, o José Homem de Montes, para que essa campanha fosse veiculada em todos os meios de comunicação da franja atlântica do Brasil.

O José Homem de Montes era o presidente da ANJ, a Associação Nacional dos Jornais, ele gostava muito de mim e do meu trabalho, e nos ajudou. E nós conseguimos botar isso em todos os jornais e mesmo na Globo e rádios. Foi uma campanha monstro que lançou o nome da SOS Mata Atlântica lá pra cima.

Foi em seguida a isso que o João Carlos foi para os Estados Unidos, onde ele fez estágio em diversas entidades não governamentais da área ambiental para estudar, acompanhar como era o processo deles de captação e entrou com este projeto. Quer dizer, criou condições para a gente lançar um projeto amplo na Fundação MacArhtur. E assim foi.

P/1- Voltando um pouquinho, quando vocês se formaram, se uniram pra montar a SOS vocês conseguiam imaginar que um dia ela ia ter um peso tão grande?

R- Eu imaginava. Imaginava porque, como editor chefe do jornal, fui um grande articulador de processos. A Judith Cortezão, que também fez parte desse grupo fundador, tinha um grande entendimento disso. Lancei diversas campanhas no jornal voltadas para a questão de pequena e média empresa, voltada para questão do Estado atuando diretamente na economia brasileira. Tinha uma sensibilidade para a articulação de segmentos da sociedade civil.

Naquela época, ninguém falava em sociedade civil; não era uma coisa carne de vaca como é hoje. Era participar de articulação de uma entidade que tinha como função também articular a sociedade civil e ser intermediário da sociedade civil em relação às suas aspirações, às suas preocupações, e o poder público. A entidade era uma alavancadora. Ela tinha uma preocupação em você também conscientizar o empresariado, mas mais do que tudo ela era uma intermediária entre as questões ambientais, o público e o poder público.

Desde o início a SOS, foi  um fator de pressão. Ela também trazia a comunidade acadêmica, que era a base nossa para realizar os projetos, elaborar os projetos de atuação, que no meu modo de ver o objetivo era mais de demonstração do que de fato a entidade realizar coisas; apontar caminhos, mostrar possibilidades. Não é que ela iria administrar a questão de zoneamento, de ocupação do litoral de São Paulo. Até hoje tem o projeto do Atlas da Mata Atlântica, que é um fator de pressão, de regulamentação, de ocupação e zoneamento. Foi um projeto que nasceu dentro do SOS Mata Atlântica e hoje é um instrumento de pressão política importante.

P/1- E vocês imaginavam que ela ia ter o peso que tem?

R- Quando aceitei pegar a presidência da SOS era porque sabia que tinha condições objetivas de dar uma alavancada forte ali. Se quisesse ter me lançado na carreira política naquela época,  teria tido uma carreira política de sucesso, mas não fui. Fui um grande articulador, mas a minha postura foi sempre de retaguarda, de apoio, de suporte. Não queria me caracterizar como militante, porque  era jornalista e achava que não era ético.Não queria ficar marcado exclusivamente como jornalista ambientalista, não era esse o meu objetivo.

Acho que o papel do jornal é esse também; o jornal não deve ser um ditador de regras. O jornal é intermediário do público, quer dizer, ele se legitima na medida que  traz para tona as preocupações legítimas da sociedade em que está inserido e não que ele venha, em cima de qualquer que seja o artifício, com o argumento, de cima pra baixo, dizendo qual o caminho a ser seguido. Então uma entidade não governamental, de certa forma, tem similaridade com o papel de um jornal.

P/1- Pegando ainda esse início de todo esse trabalho, você lembra algumas histórias pitorescas dessa época?

R- Um monte. Nós estávamos falando sobre a questão do grilo, foi quase uma guerra de guerrilhas. O chefe dos capatazes, o chefe da turma dos homens da Capela que estavam no litoral, que eram centenas, era um salvadorneho. Quer dizer, eles trouxeram alguém de um país conflagrado, que vivia em guerra. E eles estavam ali num processo de guerra contra as comunidades caiçaras, que estavam absolutamente desesperadas.

No Ariri, que era a última vila do litoral de São Paulo antes da fronteira, naquela época não tinha luz elétrica. Às oito horas, a vila estava fechada, dormindo. Aí não era o pessoal da Capela, mas grileiros associados que estavam ali no lado de São Paulo e botaram como subprefeito do Ariri um sujeito que se chamava Pedrão, que estava mancomunado com a prefeitura de Cananéia.

Esse Pedrão era foragido por crime de morte de um presídio do Paraná e estava ali aterrorizando a comunidade. Tinha botado na casa dele luz elétrica com motor e botou um som de última geração. Uma noite que eu estava lá com o Laurentino Gomes e uma outra repórter do Estado, às 11 horas da noite, a vila não conseguia dormir por causa do som da casa dele. E nós tomando, ali num boteco com os caiçaras, pinga. Às tantas fui para a casa do sujeito e arrombei a casa. E veio o pretão nu; virei para ele e disse: “Componha-se!” E o cara voltou e botou um calção e veio. Daí, no berro, fiz ele desligar o som sem nenhuma reação.

Ele continuou lá, no Ariri, como subprefeito. Com as provocações ali dentro da vila, envenenando cachorro, criando caso, até que acabou sendo morto por alguém da região, na estrada que vai do Ariri para Cananéia, para Parequera-Açu, que até hoje são 60 Km de estrada de terra. Naquela, transitável algumas épocas do ano; quando chovia muito você ficava ilhado no Ariri.

Depois ali também na articulação das vilas do Lagamar, nas vilas  da Ilha de Superagüi, na Ilha das Peças, do fundo da Baía de Paranaguá, teve uma vez que nós fomos para lá, era umas 30 pessoas, estava a Judith Cortezão, um monte de gente da universidade, nós, e saímos em comissão, passando em vila por vila, tendo reunião com os habitantes das vilas na igreja, articulação enfim… Teve muitas histórias emocionantes.

P/1- E como foi que terminou essa grilagem?

R- Foi quando as matérias começaram a vir a tona. Eles começaram a conter, a coisa começou a ser discutida aqui e ali. Nós conseguimos mostrar que o pessoal que eles levaram para desmatar era gente que tinha sido deslocada de uma represa que foi construída no Paraná, eles foram largados lá, jogados lá sem ter como sair.

São ilhas, ilhas de mangue, e não tinha barco para os caras saírem, se quisessem. Eles estavam em condições de trabalho quase de semi-escravidão. Nós acabamos levando a polícia do Paraná para lá e essa turma saiu toda. A coisa foi indo, levantamos essa rasura da sessão da Câmara de Guaraqueçaba de 1948, que teria dado as terras para eles ou para alguém que teria repassado para eles – o papel original vinha dali – quer dizer, havia montado um quadro, que havia uma pressão, havia uma articulação muito grande para eles saírem.

Os diretores da Capela, costumavam mostrar lá embaixo a fotografia da diretoria deles junto com o Aureliano Chaves, que era vice-presidente do Figueiredo, dizendo que ele era sócio da Companhia. Aí teve uma entrevista do JT. O Aureliano se candidatou à presidência, e um repórter do Jornal da Tarde, o Moacir Japiaçu, ia fazer a entrevista com ele. Peguei essas fotos, tinha conseguido cópias, passei para ele e falei: “no final da entrevista em off você mostra isso, conta o caso e pergunta para ele o que é que ta acontecendo”.

Quando o Japi voltou perguntei a reação. Ele disse que o Aureliano tinha ficado  roxo, azul, de todas as cores. Logo depois, a Capela se retirou da região. O Dr. Paulo Nogueira Neto estava na SEMA criou a APA de Guaraqueçaba, aqui para o lado de São Paulo também foram criadas algumas APAs e outras unidades de proteção, e depois a Ilha do Superagüi foi transformada em Parque.

A Ilha do Cardoso já era parque estadual, você tinha a Vila do Marujá, que é uma vila de caiçaras muito articulada. Durante este processo também tinham se movimentado mais. E o pessoal da Capela se retirou, os títulos de terra foram dados para os habitantes tradicionais. A região toda ficou com um o arcabouço  em termos de unidades de proteção ambiental mais forte que outras áreas do Brasil.

A BR-101, que também deveria passar ali, foi contida, é um trecho que não foi construído. É uma área, ao contrário do litoral norte de São Paulo que você tem uma planície costeira, que são terrenos quaternários, são terrenos mais recentes, de areia, é uma área mais frágil; se você passa cortando uma estrada, como a BR-101 ia abrir para ocupação, aquilo dança de uma vez. Com isso, a região ficou mais preservada do que o Litoral Norte, digo um pouco mais porque em termos do que você tinha ali de ostras, o que você tinha ali de estoques pesqueiros também acabou sendo esgotado.

A questão da ostra, em função de projetos de financiamento, acho que era da Sudepe, tem ali até hoje um criador de ostra no Rio Itapitangui, na baía de Trapandé, em Cananéia. Esse sujeito na realidade  tirou todas as matrizes da região; hoje você tem ostra ali na área dele e no fundo da baía dos Pinheiros, perto da Vila Fátima, o resto acabou. Também a pressão de pesca e parelha nas Barras – ali você tem a Barra Norte de Paranaguá, que é Barra do Superagüi, entre a Ilha das Peças e o Superagüi; depois você tem a Barra do Ararapira; depois você tem a Barra do Trapandé; depois você tem a Barra do Icapara.

Enfim, as parelhas, que ficam passando logo após a rebentação, na boca dessas Barras e na área de reflexo delas, acabaram praticamente esgotando os estoques que você tinha de robalo, de pescada. Mesmo a caranha do Litoral Sul de São Paulo, boa parte vinha se criar ali, bem como algumas variedades de camarão. Enfim, hoje em dia, a produção pesqueira ali das comunidades caiçaras é irrisória se comparada com oque eram há 20, 30 anos atrás. Agora isso não é um problema só dali; é um problema mundial.

De qualquer forma, o trecho entre o Sul da Ilha Comprida e a ilha do Mel, em Paranaguá, é o mais consevado do país, depois das áreas inóspitas  do litoral do Maranhão e dos manguesais do Norte da Amazônia.

A equipe do Jornal da Tarde, em meados dos anos 80

P/1- Ouvindo você falar eu fiquei pensando uma coisa – que se eu tiver enganada, por favor, você me corrija: na década de 70, 80, não se dava tanto destaque pras questões ambientais, tanto na imprensa escrita, quanto televisiva. Vocês chegavam a sofrer pressão, por que normalmente quem estava por traz eram grandes organizações, grandes empresários, governo… como que é essa fase?

R- Nesse caso que eu estava contando da Capela – a Companhia Agropastoril do Litoral do Paraná -, eles procuraram o Jornal, procuraram meu pai. E meu pai, como  faz em qualquer caso semelhante a este, encaminhou para quem estava tocando o processo, e era eu. Marquei a reunião com o diretor da empresa,  logo depois de uma denúncia de trabalho escravo e como consequência a polícia do Paraná tinha tirado o pessoal deles que estava desmatando de lá. Tinha tirado a força, eles queriam ir embora e a empresa não dava condições para eles saírem.

Este diretor veio para a reunião. Tinha deixado um dos líderes do grupo que eles tinham levado para lá numa sala contígua e o sujeito entrou e começou com o discurso de que o que nós estávamos colocando ali era coisa de comunista. Eu falei “Bom, o comunista em questão sou eu. E comunista como? Das coisas que nós publicamos, o que não é verdadeiro?” Ele começou uma argumentação. Eu falei “Bom, eu trouxe aqui um dos líderes do pessoal, que estava lá e tem uma sala preparada para conversarmos gravando”. O sujeito ficou nervoso e foi embora.

A nossa argumentação não era uma argumentação festiva; era e é um grupo bastante articulado e com muito conteúdo. Houve também uma estratégia, e não era só um grupo de ativistas políticos. No processo de criação da SOS houve uma cooptação da área acadêmica, que via com ótimos olhos você de repente ter um grupo articulado da sociedade civil, abraçando essas questões e dando sustentação, sendo um canal de sustentação para o trabalho deles também.

Tinha o meu nome, tinha o nome do Roberto Klabin, tinha o nome do Fábio Feldmann, tinha o nome de gente que era do meio empresarial. O João Paulo Capobianco, de família de empreiteiro; não era gente irresponsável, não era gente festiva. Acho que esse objetivo nós atingimos com pleno sucesso, de fechar possibilidades para o discurso caricatural em cima de quem tinha preocupação ambiental.

Teve a época que era coisa de viado e de drogado, a caricatura. Mas acho que desde o início da nossa saída nunca houve uma tentativa de partir para um processo de denegrir a gente com esse tipo de coisa. Foi todo um processo. A Juréia,  foram anos de articulação, anos de trabalho. Depois teve a questão do Aeroporto também aqui em São Paulo, que não era para ser em Cumbica. Também de certa forma esse grupo da SOS estava envolvido com aquilo. Depois a BR-101 e essa questão de Iguape, Cananéia e Paranaguá.

Quer dizer, não dava para você vir com caricatura para cima de nós. E quando nós íamos para os debates públicos, íamos preparados e desde o início  nos colocamos dentro do mundo empresarial como um canal de conscientização responsável. Fomos até criticados por segmentos do movimento ambientalista, dizendo que “era uma entidade empresarial”. Não era uma entidade empresarial; era uma entidade nos seus primeiros anos de vida, seis, sete anos eminentemente políticos.

O objetivo da SOS era abrir um canal de comunicação com os meios empresariais para discutir a questão ambiental no processo de desenvolvimento como um todo, que não poderia ser relevado de maneira nenhuma. Se no começo tinha gente que tinha dúvida sobre isso, hoje você abre os jornais e você vê: a questão ambiental está inserida e a tendência é ela ganhar cada vez mais peso, porque o resultado desse crescimento material, que a humanidade teve na era industrial, está levando ao esgotamento dos recursos e à ameaças de mudanças do ambiente e impactos terríveis, perversos, dramáticos.

Nós fizemos bem a lição de casa. Teve momentos assim de você ter reuniões com o empresariado em Iguape, que eram reuniões tremendamente tensas; era compreensível a reação deles, porque tradicionalmente a economia do sujeito era aquela e ele não parava nem um minuto para fazer uma reflexão se havia outros caminhos, turismo, por exemplo, ou atividades sustentáveis. Mesmo neste sentido nós acabamos ganhando essas comunidades.

Hoje estou um pouco mais distante da SOS, mas as informações que  tenho é que nós estamos absolutamente inseridos na vida de Iguape, de Cananéia, de Paranaguá, das cidades do Vale do Ribeira, enfim, da região de província de Mata Atlântica. Atrás da SOS surgiu a rede de entidades da Mata Atlântica, que foi um trabalho de organização e articulação, inicialmente da SOS. Agora minha lembrança é sempre meio confusa, quer dizer, confusa não, a minha atividade principal foi sempre a minha atividade profissional. A SOS foi e é uma coisa complementar e que eu considero importante e muito importante na minha vida, ajudou no meu amadurecimento como um ser político e foi uma coisa prazerosa também.

P/2- Como o senhor sempre mexeu com essas reportagens, sempre teve na SOS, eu queria saber em relação à evolução da defesa do meio ambiente, a conscientização da população em geral, do tema ambiental.

R- Em minhas conversas com o pessoal da área ambiental, de vez em quando, sinto uma certa angústia, um certo pessimismo, achando que a questão ambiental hoje está relegada a um segundo plano. Acho que não; eu estava vendo as primeiras resenhas que estão saindo desse ano, nas revistas e nos jornais. As questões ambientais têm um peso tremendo, desde a ameaça das mudanças climáticas, que a gente está sentindo, até a questão de esgotamento dos mares, o lixo.

Quando nós começamos esse processo, há quase trinta anos atrás, você de repente tinha a Juréia, mas eram bandeiras, bandeiras pontuais. Caucaia, quando se tentou fazer o aeroporto lá. Era um ou outro jornal; hoje está na pauta, está inserido.

Acho que o movimento ambientalista como um todo  tem que se repensar em função do contexto e do processo que nós estamos inseridos. Como  atuar politicamente para que ele consiga resultados objetivos – não que esteja fazendo mal, acho que as coisas estão acontecendo e não dá nem para você comparar o processo hoje, em termos de ameaça de mudança, do que era há 30 anos atrás. Há 30 anos atrás você estava trazendo a questão para cima, você estava começando a pensar como articular que o Estado assimilasse uma estrutura, criasse uma estrutura para cuidar da questão ambiental, que é também uma questão problemática.

No fundo, não adianta você ter um Ministério, uma Secretaria de Meio Ambiente; a questão ambiental deveria estar inserida organicamente em toda a estrutura de governo do Estado de São Paulo ou em qualquer outro Estado da Federação, em todas as secretarias e no Governo Federal também. É diferente de um processo econômico, tudo mexe com a questão ambiental. Então ela deve permear toda a estrutura de governo.

Mas avançamos, antes não tinha nada. Essa estrutura que a gente tem hoje e essa estrutura têm a sua dinâmica, enfim, de trabalhar para ganhar efetividade. Acho isso, acho que a questão ambiental hoje está inserida na agenda do Brasil e na agenda mundial. Não há dia que alguma questão ambiental não é abordada nos jornais e que isso de alguma forma esteja andando.

Agora o mundo é complexo, enredado, as coisas não mudam na velocidade que a gente gostaria que mudasse. Hoje trabalho com redes de colaboração, conhecimento e negócios (o depoimento foi dado em 2004); não considero a infraestrutura da internet um meio para você organizar e distribuir a informação. Considero a Internet uma nova infraestrutura e que, para mim, é um conjunto de redes de colaboração, conhecimento e negócios. Agora a Internet, essa infraestrutura, ela está ainda na sua primeira infância, ela está ainda de calças curtas.

Nós vivemos uma época em que a economia industrial bateu no teto, ela fez tudo que ela poderia ter feito. E está surgindo um mundo novo que é conseqüência da evolução das tecnologias de comunicação e informação. Também mais recentemente biotecnologia, tecnologia e tudo, mas é um processo de inovação que está surgindo aí e que reflete em toda a estrutura, em todo arcabouço jurídico e institucional do mundo. Quer dizer, se você pega o Estado Nacional e o compara hoje com o início do século XX…

O próprio jornal como meio de informação, fazendo uma comparação paralela,  do início do seu amadurecimento como meio de comunicação até os anos 30, 40, tinha todas as ferramentas para interagir com a comunidade que ele estava inserido, intensamente. Na medida em que o processo industrial levou à explosão demográfica e ao crescimento desmesurado das cidades – que é fruto do processo industrial – criando megalópoles como São Paulo, distanciou o jornal do seu público, assim como isso ocorreu com o Estado Nacional, a máquina de gestão pública, que a cada dia está mais distante do público e dos seus interesses.

Isso ocorreu em tudo, em todas as instituições que regulamentam a vida em sociedade. A estrutura de regulamentação e jurídica do mundo está travada, estamos vivendo um momento de crise, que é um momento de mudança para um outro patamar, que vai ocorrer na medida em que as tecnologias de informação e comunicação amadurecerem e a conectividade for uma commodity, o display para você se interconectar for uma commodity. E, em consequência disso, as atuais regras, instituições amadurecidas na era industrial, na era do mundo analógico tiverem sido transportadas e transformadas para este novo mundo, que é muito mais dinâmico e tem uma relação muito mais intensa com os pontos de conexão possíveis entre os indivíduos e as comunidades, se adequarem para esse novo momento.

Agora isso ocorre na velocidade da História, dos movimentos profundos da História. É geracional, quer dizer o problema  hoje é como as redes são usadas ( o depoimento foi dado em 2004). Elas são usadas com muito mais limitação do que elas poderiam ser, porque o público não tem o entendimento do que seja a rede. A maioria das pessoas olha pra Internet como um meio broadcast, ela é utilizado como a televisão; você entra vê uma informação, você sai dali, vai para outro canal, mas você está só recebendo informação como você recebe da televisão ou do jornal. É broadcast e não rede.

Eu e Nicholas Negroponte na Agência Estado no início dos anos 90

Na realidade ela é uma rede bidirecional, interativa, que permite conexão multiponto, com quantos pontos você quiser ao mesmo tempo. É uma infraestrutura para o empreendedorismo intelectual ou econômico. A rede é muito mais um fator de articulação de processos do que qualquer outra coisa.

Agora, o que nós somos profissionalmente ou intelectualmente? Somos o que fizemos, somos  a rede que criamos. Este é o patrimônio de cada um de nós, este  é o nosso cabedal. Ninguém faz nada sózinho. Imagine se tivéssemos nascidos na era da rede amadurecida e tivéssemos tido a mesma performance que tivémos no mundo analógico no mundo digital.

Um jornal é um objeto de conhecimento; os ambientes que você cria, os ambientes da rede são objetos de conhecimento também, que vão permitir novos tipos de relacionamento entre as pessoas. Acredito que uma das possibilidades para os próximos 20, 30 anos, – quando a economia estiver mais sustentada pela rede e suas possibilidades de articulação, informação e comunicação, quanto entrarmos de fato na era do conhecimento e a rede for uma uma commodities para todo mundo, – é que nós vamos partir para o início da solução da problemática ambiental.

Não teremos necessidade de aglomerações urbanas do tamanho de São Paulo. Vamos partir para um processo de reurbanização e de reconstrução do que destruimos ou então a humanidade vai sucumbir porque o planeta Terra não suporta tanto desaforo quanto estamos fazendo com ele. Trabalho com esta hipótese, não vou assistir isso, mas enfim, você vê que a pressão por ocupação  vem diminuindo, não tem mais a pujança, que  teve na época do milagre brasileir. Não sei mais, derivei…

P/1- Deixa eu voltar um pouquinho. Você acha que da época que da época que a SOS foi criada pra hoje, a Mata Atlântica ganhou?

R- Acho que com certeza ela perdeu menos do que ela perderia se a SOS Mata Atlântica não tivesse surgido. Não só a SOS Mata Atlântica, mas todas as entidades não governamentais voltadas para essa área que surgiram nos últimos 20, 30 anos. Não estou acompanhando em detalhes, mas  tenho a impressão que, se não estou enganado, tem estados que já ocorreu, nesse acompanhamento que o próprio SOS faz através do Atlas da Mata Atlântica, já teve anos de ganho e não perda de cobertura florestal.

Agora, me perguntavam lá no início da SOS, qual o principal vetor, o principal objetivo da SOS Mata Atlântica? Eu sempre achei que era educar; comunicar para educar, ajudar a formar opinião, conscientizar. Os processos não andam na velocidade que você gostaria, você não está educando seu filho. Os processos da sociedade acontecem numa relação mais distante, mais atomizada.

P/1- Eu te perguntei isso porque eu estou vendo pelo que você está falando, que existe uma preocupação com a Amazônia, da sua parte assim, tem uma preocupação. Você acha que deveria ter uma ONG como a SOS, como a fundação pra lá?

R- Acho que a Amazônia perdeu a oportunidade dela, nós perdemos. Acredito que o que vai sobrar da Amazônia é a Calha Norte, é a Bacia do Rio Negro, aquela parte, porque é a zona mais pobre da Amazônia, tanto em termos de solo, quanto em termos de recursos minerais, florestais, energéticos e por aí afora. Por ser a zona mais pobre, historicamente, sempre teve menos pressão antrópica, teve menos gente. Você tem um número menor de municípios, Barcelos, que é a primeira capital da Amazônia e fica ali no médio rio Negro, é o maior município da Amazônia; e, se  não estou enganado, o maior município do Brasil.

E por quê? Porque não havia riqueza para se criarem outros municípios. Se você olha hoje, não sei agora o número de municípios da Amazônia, mas são muitos, uma foto noturna de um satélite da Amazônia, você leva um susto. Trabalhei em 1987, 88, 89,  fiz um lobby  no bom sentidojunto ao Sarney para que fosse promovido o zoneamento ecológico e econômico da Amazônia, que fosso criado um Centro de Sensoriamento Remoto na Embrapa. E o Sarney embarcou nesta viagem.

Primeiro com o Programa Nossa Natureza, qua acabou com IBDF, Sudam e um monte de órgãos inúteis para criar a atual estrutura ambiental do governo federeal, começando com o Ibama. Depois criou o núcleo de Monitoramento Ambiental da Embrapa, que hoje é uma unidade como todas as outras, o Centro de Monitoramento por Satélite da Embrapa, uma unidade exmplar, prestadora de serviços ao país. O núcleo começou nascer com o apoio para o governo Sarney fazer o programa Nossa Natureza, que foi um rearranjo rápido de algumas questões fundamentais de regulamentação ambiental e cujo fruto principal foi o pré projeto de zoneamento ecológico para Amazônia que deveria ter sido levado para Eco 92, uma extensão do programa Nossa Natureza.

Para isso,  fiz um projeto junto com o Eduardo Evaristo Miranda, que é o criador do Centro de Monitoramento por  Satélite da Embrapa, e o Cirad, que é o equivalente da Embrapa na França – financiado pelo Grupo Unip, o Objetivo, do João Carlo Di Genio, que patrocinou e deu infraestrutura para realizarmos o projeto. Imagens de satélite, vôos de avião e expedições de campo. Ficamos um ano trabalhando sobre a Bacia do Rio Demene, afluente do Rio Negro, para mostrar como essa tecnologia de satélite, ajudava, contribuía no processo de zoneamento de uma região.

O Projeto Radam tinha mapeado todas as riquezas: subsolos, possibilidades hidrológicas e potencial florestal, toda essa massa de dados para você encontrar as vocações, enfim o Estado chegar antes na região para monitorar  o processo como um todo. Trabalhar para que o processo de ocupação não seja totalmente destrutivo. Durante mais de um anos fizemos quatro expedições para a região. Do alto da cheia à seca total.

O Sarney fez esse trabalho, a Secretaria da Casa Civil articulou esse processo junto com todos os centros de interesse político de todas as tendências. A idéia era você chegar à ECO 92 com as regiões críticas da Amazônia zoneadas, as que tinham mais pressão de ocupação, e o projeto de zoneamento como um todo planejado. Para  tapar a boca dos que faziam o discurso de internacionalização da Amazônia, que naquela época era um pouco mais intenso, e ter um instrumento para tirar dinheiro para o planejamento da ocupação e proteção da Amazônia. Para ter políticas claras de ordenamento territorial para a região.

Mas isso não foi feito. O Collor acabou loteando o projeto com o Pedro Paulo, que era o secretário de Assuntos Estratégicos. Loteou a realização do zoneamento, dando verbas pra cá e pra lá, sem critério. O zoneamento virou uma colcha de retalhos, nunca foi feito como um todo. Enquanto isso, o Amazonas, um dos estados mais atrasados do Brasil foi se desenvolvendo, até se tornar nos últimos anos o que mais cresce no Brasil. Com isso, os municípios todos foram se encorpando e se encorporando à economia, criando a sua própria dinâmica local.

Não são os grandes empreendimentos de gado ou cana os maiores responsáveis pela derrubada da floresta hoje. É a dinâmica da economia local dos municípios a maior responsável. Com isso tudo, a perda da oportunidade na ECO 92, graças ao Collor, e o desenvolvimento econômico do Brasil, o que vai sobrar mesmo da Amazônia é a zona da Calha Norte, assim mesmo mais degradada do que é hoje.

Agora, tenho sempre a esperança que esse mundo novo que está surgindo – que é muito incipiente ainda e muito mal entendido pelo público em geral porque a própria imprensa não tem base de conhecimento pra cobrir o que está acontecendo – crie novas dinâmicas para que a ocupação da Amazônia passe a ser mais inteligente.

A rede, esta nova infraestrutura que era impensável até 20, 30 anos atrás, vai permitir níveis de articulação da sociedade inimagináveis há muito poucos anos. E vai também fomentar a criação de negócios com outras características dos de hoje, um mundo muito mais cooperado e colaborado do que existe hoje. Quer dizer, a internet tem esse grande fator, ela é uma tecnologia que fomenta a possibilidade de colaboração, de compartilhamento. É um substrato que fomenta as possibilidades de empreendedorismo econômico e também empreendedorismo cultural, educacional, de forma colaborada, compartilhada. Isso vai gerar impactos no processo acadêmico, no processo de criação, em todos os processos de atividade humana.

A revolução industrial, quando amadurece com a linha de produção,  tira o indivíduo do centro do processo; você passa a ser uma parte de uma máquina. A caricatura aí é o “Tempos Modernos”, do Chaplin. O processo da rede, com a evolução das tecnologias não proprietárias, o open source e a geração de novos conceitos de copyrigths vão gerar numa linha de tempo uma nova sociedade, que evidentemente é uma evolução do mundo de hoje, mas premido por novas fontes de recursos, novas infraestruturas, novas mentalidades, novas formas de ver e entender o mundo.

Desde os anos 80, quando  comecei a acompanhar movimentos de empresas de informação globais, em torno das redes de comunicação – a primeira delas é a Reuters – fazia uma correlação com a questão ambiental. A organização da economia industrial é piramidal, a organização da economia em rede é muito mais nivelada, depende mais da base. Um dos teóricos deste processo, o Nicolas Negroponte, fundador do Media Lab – o laboratório de mídia do MIT – diz que no futuro as estruturas hierárquicas que a conhecemos hoje, de empresas, da sociedade, vão ser substituídas por alguma coisa muito mais semelhante com o equilíbrio que você encontra no ambiente do que com a herança que nós tivemos do processo industrial, onde a base da economia é a energia. E o capitalismo, no sentido de fontes de financiamento, a base de tudo.

No início da era industrial, os capitalistas financiavam a produção atraindo os artesão para um espaço comum provido de energia. De responsável pela produção, o artesão se tornou um mantenedor da máquina, sua responsabilidade caiu para a manutenção, o apoio à produção. Depois,  veio toda a evolução que conhecemos privilegiando sempre a escala. Isso gerou inovação na indústria, fomentando sempre máquinas mais competitivas, e gerou também a concentração capitalista, na medida em que este processo beneficia o capital através do financiamento.

Não há dúvida, porém que este processo beneficiou a humanidade. Na idade média, na época feudal, a Terra estava no centro do universo, e a sociedade não tinha mobilidade alguma. Quem nascia servo morrria nesta condição. A Igreja Católica e o absolutismo, o poder temporal, tinham todo o poder. De lá pra cá, a mobilidade social aumentou exponecialmente e o nosso planeta consegue manter vivo a cada anos um número maior de indivíduos, com uma expectativa de anos vividos também maior.

P/1- Pensando na rede, você pensa a SOS fazendo parte dessa rede?

R- Eu penso e sempre que posso meciono isso para a fundação. Mas neste momento minha prioridade zero é trabalhar para a empresa que estou desenvolvendo se consolidar.

Agora, já existe hoje uma rede de sites ambientais segmentados. Você tem cento e poucos entidades não governamentais na área de Mata Atlântica, um processo articulado de certa forma pela SOS Mata Atlântica. O que eles são? Eles são sites de informação, que estão ali e o cara botando: “Aqui aconteceu isso, isso assim…” Não deveria ser assim. O ideal seria que cada um destes sites fossem um ambiente de comunidade de prática. É uma filosofia completamente diferente.

O primeiro prioriza a coleta da informação e organização desta informação para ser distribuída para as pessoas que chegam lá ou são  atraídas para o ambiente por newsletters ou emails com links. O segundo prioriza a participação ativa das pessoas na construção contínua do ambiente. Isso significa uma construção completamente diferente do que você vê, em regra, na Internet.

Tem formas de você fomentar, emular estes processos, e isso poderia contribuir para a organização do movimento ambientalista se você quiser. Mas isso só é possível com visão, vontade política e equipe. Mas ainda não chegamos neste tempo: 90% das pessoas ainda consideram a internet mais um meio de comunicação, uma tecnologia que permite o armazenamento infinito e uma distribuição eficaz da informação. E mais nada.

Semana passada foi anunciando que o Google e outras empresas da internet vão indexar cerca de 15 milhões de livros. No início talvez você não tenha acesso ao livro na íntegra, mas o objetivo é que os livros que forem de domínio público, você faz o download em PDF ou o que  seja, da íntegra ou de trechos. Qual será o efeito disso quando estiver disponibilizado para o público?

Qualquer sujeito hoje que está trabalhando, tem um problema qualquer de informação, entra no Google ou na Wikepedia,  bota a palavra chave e pronto. Tem um caminho rápido e eficiente para sanar a dúvida, para esclarecer o problema. A internet já trouxe benefícios incomensuráveis para a economia e para a articulação da sociedade como um todo, mas é só a ponta do iceberg.

A nossa geração –  tenho 50 anos de idade – por mais que você trabalhe intensamente com computador e as tecnologias digitais – tem limitações de entendimento, compreenção das possibilidades da rede. Não nascemos com  ela implantada e amadurecida. Ela não está no nosso cortex, não é uma extensão da nossa inteligência. As gerações futuras não, isso vai estar imbuído dentro da inteligência do indivíduo, da sua capacidade de articulação e expressão. O que a rede exponencia é justamente isso, a articulação, a forma de se expressar, de se comunicar. No futuro, as redes vão se auto criar. Serão processos quase autônomos.

Por isso, o processo de formação da opinião pública vai ser uma coisa muito mais autônomo, complexo e sofisticado do que hoje. E as empresas jornalísticas não vão existir como as entendemos hoje.

As empresas jornalísticas são frutos do processo industrial. Elas surgiram no Renascimento e Iluminismo, mas os jornais no século XVII eram panfletos de vida efêmera;  uma reação da burguesia ao monopólio da Igreja e do poder absolutista em relação à informação. Quando  Gutenberg inventa a imprens, libera o conhecimento para todo mundo, aquilo que era um privilégio do poder, guardado a sete chaves nos mosteiros, se torna público. E a possibilidade de você ser um publicador passa a ser acessível para as pessoas comuns da época.

Os jornais só se organizam como empresa a partir de meados do século XIX. O processo que leva à configuração da maturidades da indústria de informação ocorre entre as duas grandes guerras. A partir do final da década de 40, inicia-se a decadência, lentamente. Os jornais não vão acabar abruptamente, mas vão acabar, pelo menos como nós os entendemos ainda hoje.

A questão que se coloca é onde está o poder do jornal ou por quê eles alcançaram tanto poder? Historicamente, eles se legitimaram na medida em foram plataformas de articulação das sociedades em que estavam inseridos. Ao mesmo tempo, eles eram o marketplace desta comunidades. Não havia a profusão de mídias que temos hoje. Os jornais tinham quase o monopólio da distribuição da informação editorial e comercial, os classificados, os pequenos anúncios.

Com a internet, com a rede, todo mundo é um publicador. É claro que esta cultura não está disseminada, mas a cada ano ela amadurece um pouco mais. Com isso, a sociedade vai se auto organizando. Precisamos desenvolver centros de conhecimento específicos para fomentas este processos e isso está ocorrendo. Mais adiante, qualquer indivíduo vai ter a sua própria  comunidade na rede, refletindo a sua personalidade, os seus interesses, a sua área de conheciment. Isso vai gerar um processo social, econômico e políticp muito mais dinâmico do que o de hoje.

Você já se perguntou como se formou a sua relação com a sua comunidade, a sua cidade? A minha relação primeiro com o mundo foi quem? Meu pai, minha mãe, minha casa, a rua, a escola, o clube, você vai abrindo.  Para as novas gerações, a rede faz parte da relação deles com o mundo, isso dá uma abertura tremenda. Antes tínhamos limitações de relacionamento pelo espaço físico; hoje não temos mais.

Mas isso, este processo, ainda não é dominante… é possível, mas não é fácil. Os caminhos não estão feitos, não existe cultura, então o processo ainda está se montando. Mas chega um determinado momento que aquilo flui, passa a ser o dominante. Isso em todos os sentidos, tanto da montagem da sua rede, do seu conhecimento, a sua atividade profissional e o processo político como um todo, que vai ser uma coisa muito mais aberta, muito mais atomizada, do que é hoje.

Os jornais tiveram esse papel de articulação das comunidades e da democratização da disseminação da informação. Hoje, eles são uma estrutura de poder do mundo antigo e  resistem a este novo processo. Se eles se abrissem ao processo, assumindo a crise da indústria, teriam acondições de ser um dos fomentadores do processo e encontrar seu espaço neste novo mundo em construção.

Tudo isso tem a ver também com a crise ambiental, com o reconhecimento dos impactos da nossa atividade sobre o ambiente. O problema é que o processo econômico é sempre perverso.

P/1- A gente já está chegando ao fim. Você podia fazer um balanço desses 18 anos da fundação?

R- Acho que o balanço é extremamente positivo, por tudo que eu disse aqui neste depoimento. A questão ambiental se inseriu na pauta política, na pauta econômica, na pauta empresarial, ela se inseriu em tudo. O número de entidades aumentou barbaramente. Houve um processo de segmentação e a SOS, de certa forma, também se segmentou, apesar de ter virado uma instituição e por isso um membro do status quo.

Hoje os objetivos dela são mais focados, a preocupação orçamentária é mais acirrada. É uma entidade já com maturidade, com processo que independe de quem esteja comandando, aquilo já tem uma lógica. Na minha perspectiva, que é específica, o grande momento da SOS foi enquanto ela, de fato, era intermediária entre sociedade civil, o mundo acadêmico preocupado com a questão ambiental e o poder público. E gostaria de a ver reforçando essa missão dela, essa responsabilidade dela.

Hoje isso não é a prioridade da Fundação. Não acho que seja responsabilidade de ninguém, é uma conseqüência do processo e também da despolarização do movimento ambientalista. Mas acho que o nome SOS Mata Atlântica continua sendo um nome com uma força muito grande junto ao público. E talvez valesse a pena a Fundação procurar reforçar esse aspecto da personalidade dela, que foi mais forte nos primeiros dez anos da história dela. De qualquer forma ela desempenhou e desempenha um papel importante na formação da cultura de resposnabilidade ambiental do empresariado. Da questão de sustentabilidade como um todo.

P/1- O que representa pra você a Mata atlântica?

R- A Mata Atlântica, como um todo, se for para chegar à última instancia, é uma questão estética. Acho que para cultura do ser humano, do homem, a relação com o meio ambiente foi sempre uma base primária para o estabelecimento de um conhecimento estético. E isso se reflete na ética, na filosofia, na economia, na política, na cultura da sociedade como um todo.

O equilíbrio da natureza  é um fundamento estético para a formação da sociedade. Estamos perdendo. É alguma coisa do imaginário da humanidade que está sendo jogado fora e sendo substituído por violência, que não é só física.

A Mata Atlântica para mim teve uma importância enorme neste sentido. Da Serra do Mar na beira do litoral Norte de São Paulo a todo o conjunto de ecossistemas que estão contidos no que denominamos na SOS como a Província de Mata Atlântica, que é uma concepção aberta do que seria Mata Atlântica.

A questão é você ter consciência de que você não tem direito de vida ou morte no espaço que você vive; você tem compromissos com o que virá depois.

P/1- Você gostaria de falar alguma coisa que eu não perguntei?

R- Provavelmente gostaria, mas não me lembro (risos).

P/1- Bom, então eu queria te agradecer por você ter vindo e ficado esse tempo aqui com a gente. Obrigada.

R- Obrigado a vocês

Informação: dos jornais a um mundo sem fronteiras


Jornalista da família Mesquita fala sobre a função histórica dos jornais impressos, inclusive o do O Estado de S. Paulo, e das mudanças que a era da internet trouxe. Ele aborda como é possível fazer jornalismo nos novos tempos
 –  entrevista de julho de 2013 transcrita do página 22 da GV

Página 22 – Rodrigo,  você acredita na existência de uma crise dos meios jornalísticos provocada pelo descompasso entre a novíssima sociedade do conhecimento, revolucionada pelo digital, e as antigas estruturas da informação ?

Rodrigo – O apogeu da indústria de jornais acontece na década de 1940. A partir daí, este setor da indústria de comunicação social começa a envelhecer. Assim como as plataformas digitais atuais, os jornais também eram plataformas de articulação das comunidades em que estavam inseridos.  Alexis de Tocqueville ( filósofo político francês, 1805-1859) aborda, na Democracia da América o papel dos jornais que estavam se estruturando no século 19 nos Estados Unidos. Para Tocqueville, os jornais contribuíam para  os cidadãos se sentirem parte de uma comunidade local, que por sua vez fazia parte de uma comunidade maior,  que era a nação americana nascendo. O jornal teve durante dezenas de anos o papel de plataforma de articulação das comunidades locais. Veja o caso do meu bisavô, Júlio Mesquita (jornalista, 1862-1927)…

Página 22 –  Júlio Mesquita foi o fundador do jornal “O Estado de S Paulo”?

Rodrigo – Não, meu bisavô foi um “self-made man” e não foi o fundador do Estadão.  O jornal  A Província de S Paulo foi fundado por um grupo de republicanos em 1875 com o objetivo promover a República e a abolição da escravatura.  Ele foi levado como colaborador para este jornal por Rangel Pestana (jornalista e político, 1839-1903) no final do século 19.  Para os republicanos, o jornal não era um negócio. Era uma ferramenta para se atingir seus objetivos. Depois de a República ter sido proclamada e a escravatura abolida, este grupo de republicanos perdeu o interesse no jornal. Ele não tinha mais nenhum valor para eles.

Meu bisavô, com a ajuda do pai imigrante português semi analfabeto e que escolheu o filho que iria estudar, começou a comprar as ações do jornal até adquirir 100%.  Neste processo, partiu para o rompimento dos laços do jornal com o Partido Republicano que o subsidiava. Desde a proclamação da República, o  nome do jornal tinha sido alterado  para O Estado de S Paulo. Concomitantemente ao  rompimento, promoveu uma profunda reforma editorial no jornal e fez uma série de inovações empresariais. Ninguém podia assinar textos no jornal, nem ele, “porque não é nosso, é do  público”. Com isso ele indicava que considerava o jornalismo uma atividade coletiva e colaborativa e começava a definir a missão do jornal.

Era um homem além do seu tempo, como fica claro nesta antevisão do que seria colaboração em rede.

Página 22 –  E qual era esta missão?

Rodrigo –  A missão do O Estado de S Paulo  (e de todos os jornais sérios e éticos) era levantar os problemas que preocupavam a comunidade de São Paulo e promover o debate destes problemas pela comunidade. Ele tinha uma frase que considero lapidar, verdadeira até hoje para as empresas jornalísticas e que mostra que suas ideias (de rede) continuam contemporâneas:  Jamais sonhei que tinha o direito ou o dever de formar a opinião pública de meu estado. Tudo o que eu fiz na minha vida foi sondar a opinião pública e me deixar  levar tranquilo e  sossegado pela corrente que me parecia mais acertada.

Um exemplo disso foi a greve operária de 1917, liderada pelos operários anarquistas. O governo criou um comitê de arbitragem, que não chegava a uma solução. Aí chamaram o jornal para arbitrar o comitê de arbitragem. E O Estado de S Paulo ficou do lado dos operários anarquistas porque as condições dos trabalhadores eram desumanas. Nesta época, os jornais estavam tão inseridos  na vida das comunidades que podiam representar este papel: o de árbitro de uma crise da comunidade que serviam.

A partir do  final da década de 1940, o papel de articulação da sociedade do meio jornal começa a mudar. O jornal deixa de acompanhar proporcionalmente o crescimento da população, começa a enfrentar a concorrência de múltiplas plataformas de mídia, a explosão demográfica e o crescimento desmesurado das cidades, que fazem que o meio jornal comece a se distanciar do seu público.  A sociedade  vai ganhando um outro  grau de complexidade e vai se fragmentando de tal forma que começa ficar difícil para o meio jornal fazer a cobertura jornalística com a mesma amplitude e profundidade do início do século passado até meados da década de 40.

É bom lembrar que desde o final da década de 40 a comunidade científica acadêmica já estava estudando infraestruturas na direção da internet e prevendo a possibilidade de sistemas de comunicação distribuídos. Em 1968, o cientista  J.C. Licklider  já dizia que, em poucos anos, iríamos nos comunicar melhor através de uma máquina do que face a face.

Página 22 –  Mas se um afastamento de sua missão e novas formas de articulação já se formavam há tanto tempo, por que os jornais continuaram com o mesmo modelo?

Rodrigo – Os graves problemas que a indústria de jornais está enfrentando é resultado da sua acomodação. Esta crise não surgiu de repente. Os jornais tiveram o monopólio dos “classificados” das comunidades em que estavam inseridos durante cerca de meio século. Do início do século 20 aos anos 40, eram a Ágora política e comercial das cidades que serviam.  Todas as empresas que atingem uma posição monopolista emburrecem. Os administradores das empresas jornalísticas se dedicaram apenas a gerenciar fluxo de caixa, relevando as possibilidades de empreenderem como empresários do setor de comunicação social. A maioria deles não tinha e não tem a visão empresarial dos patriarcas.

E isso ocorre até hoje. Por  isso, o que está em risco hoje é o jornal de papel. O papel do jornal, ser um instrumento de articulação para a sociedade, é um espaço que continua aberto para ser ocupado. A nova infraestrutura de comunicação abre espaço para o que chamamos de “jornalismo cidadão” e novos  players sem legados. No futuro, todo cidadão que tiver um compromisso com o processo institucional de alguma forma vai estar ligado ao que chamamos de jornalismo.  O  jornalista profissional será necessário para realizar a filtragem daquilo que tem consistência do que é besteira, bobagem.

Não existem dois mundos hoje. Um analógico, outro digital. O rejuvenescimento e revigoramento da economia analógica depende da evolução da economia digital, que é consequência da evolução da economia da era industrial e do gênio humano. Uma das principais áreas de cobertura jornalística hoje é a própria internet, na medida em que as fontes primárias estão presentes na rede e que o público, a cidadania, está lá num processo de conversação sem fim debatendo seus problemas, ansiedades, sonhos e perspectivas.

Hoje, todas as pessoas e todas as empresas são parte também do setor de informação. Até muito pouco tempo atrás, as empresas tradicionais de informação tinham o domínio da audiência.  E  qualquer pessoa que, por motivo político, econômico, institucional, comercial, quisesse se relacionar com o público, precisava fazer lobby sobre as estruturas jornalísticas e jornalistas para que a sua informação, a sua mensagem, chegasse ao público. Ou comprava espaço publicitário. Hoje isso não é mais necessário.  No futuro, a publicidade e o marketing serão substituídos por um processo de conversação contínuo das empresas, das pessoas, das entidades com o público na Web, na rede. Dentro de muito pouco tempo, não haverá mais barreiras entre conteúdo e mídia. Isso  estará inserido nos processos de cada profissional e de todas as empresas, nas redes sociais que elas paulatinamente estão construindo.

Página 22 – E as empresas de informação tem dificuldade em aceitar esta nova realidade?

Rodrigo – O  problema dos jornais e jornalistas é que se consideravam (e em alguns casos ainda se consideram) superiores aos mortais comuns e por isso, no início da internet como Web, eles não mergulharam nas peculiaridades da rede. E a principal peculiaridade da rede é que, por meio do algoritmo, ela permite a criação de comunidades sobre comunidades a partir do nada.

Historicamente, os jornais eram plataformas de articulação das comunidades em que estavam inseridos. E contribuíram para a articulação dessas comunidades em torno de ideias e ideais, problemas, questões de consumo, da conversação política. Enfim, o papel do jornal era contribuir para articulação da sociedade para que ela fizesse valer seus interesses frente ao poder público e frente aos poderosos da sociedade. Se os jornais tivessem mergulhado na Web, rede, e procurado entendê-la desde o início, com certeza teriam encontrado caminhos para continuar cumprindo sua missão neste novo ambiente da informação, comunicação, articulação, este ambiente de conversação da sociedade.

Esse papel continua aberto para ser realizado e existem formas de monetizar isso oferecendo novas formas de serviços para pessoas, para empresas e para setores da economia que vão inexoravelmente entrar neste processo de digitalização da economia.  As empresas têm que organizar suas redes sociais nas mídias sociais. Elas têm que monitorar sua marca, entender como o público enxerga a empresa, o seu setor por meio da rede. Têm que estabelecer canais de conversação com seu público potencial, seus fornecedores e distribuidores.

O monitoramento se faz através de softwares, os processos de big data. A empresa tem que identificar quem é simpático a ela, saber quais são os problemas que ela enfrenta em relação à distribuição, ao preço, entender como sua marca é  vista, cumprir também com seu papel social.

O problema é que as empresas, ainda naturalmente com um pé na velha economia, têm medo do  que  estão vendo pela frente e não sabem como fazer isso. As agências de publicidade tradicionais também não sabem fazer isso, transferem processos analógicos para o mundo digital, fazendo no máximo buzz, quase um barulho inócuo. Existem, é claro, as exceções, empresas modernas que já estão fazendo isso e que deveriam ser vistas como exemplo.

Se existe participantes de um setor da velha economia que têm cultura para fazer isso são as empresas jornalísticas, desde que tenham humildade para olhar para o papel histórico delas, que é sua capacidade para articular públicos. A notícia, a informação comercial é um meio, não um fim.

Página 22 –  Isto está acontecendo?

Rodrigo – Não na dimensão que poderia ocorrer, mas há movimentos  nesta direção. O Nieman Journalism Lab, fundação voltada para o jornalismo da Harvard University, tem alguns trabalhos  nesta direção. Mas os Estados Unidos é prático demais. Para eles é a indústria do News Print. Pra mim, a notícia não tem sentido por si só, distribuída no etéreo. As empresas não fizeram dinheiro pela sua capacidade de distribuir informação. Numa perspectiva histórica, legitimaram-se, fizeram e ainda fazem dinheiro por causa da  sua capacidade de articular públicos. É o conceito do meu amigo Walter Bender, que é uma  das minhas premissas sagradas:  Notícias não mudam o mundo. Elas nos dão uma nova inteligência e as ferramentas com as quais explorá-la. Notícias não nos dizem o que pensar ou para onde ir. Elas nos ajudam a navegar. Notícias abrem a porta para participação.

É também por isso que os processos de informação, comunicação e articulação na rede, na Web, impactaram e impactam as tradicionais estruturas das empresas jornalísticas e seus modelos de negócios. Invés de procurar um caminho neste novo mundo e mexer na sua estrutura e processos, as empresas jornalísticas estão mandando embora os jornalistas mais experientes e mais caros e contratando mão de obra inexperiente e barata.

A rede permite e fomenta novas formas de relacionamento de capital e trabalho e é sobre isso que todas as empresas (não  só as jornalísticas) deveriam estar refletindo.  As jornalísticas deveriam pegar diversos grupos de jornalistas experientes e criar condições para que estes pequenos grupos formassem suas ilhas jornalísticas, criassem pequenas empresas voltadas para fornecer notícias sobre um nicho, cobrir um nicho. Subsidiá-los por  um período curto. As velhas empresas jornalísticas criariam um canal de  relacionamento com eles e juntos desenvolveriam formas de monetização não exclusivas, mas parcerias. Um processo de satelização, consequência na nova infraestrutura da economia: a internet, a web, a rede.

Se você ficar em uma estratégia de cortar custos em função de queda da publicidade que está sendo registrada e que vai continuar sendo registrada, é a morte. Eu acho também que esses sistemas de “paywall” (acesso a conteúdo da internet apenas através de pagamento de uma tarifa) é uma barreira para a missão dos jornais, que vai além do informar. A informação que o jornal distribui tem sentido na medida que é um fator da articulação da sociedade e se você coloca limites se cria uma barreira também para sua atuação.

Faz sentido você ter sistemas de micropagamentos para informação superespecializada e setorizada, para pacotes específicos, mas não para o geral. Empresas que usam “paywall” como Wall Street Journal, Financial Times e New York Times estão fazendo pouco dinheiro e são brands globais na língua dominante. Sou mais pela abertura de novos caminhos trilhados pelo The Guardian, Forbes e outros. A Web é aberta e não adianta lutar contra isso. O núcleo principal da sua atividade não pode ser fechado, o modelo  de negócio tem que ser aberto.

Página 22 – Mas de onde virá a receita destas empresas?

Rodrigo – O processo de digitalização da economia  é irreversível. As empresas têm que procurar caminhos de monetização em função de serviços de articulação na rede e no processo de digitalização das empresas. Hoje você tem softwares que podem monitorar as informações que estão sendo publicadas nas diversas mídias/ferramentas sociais que estão dentro da internet, como Google+, Facebook, Twitter, Linkedin, Pinterest, Path, Youtube, Tumblr, Orkut etc.  Você pode acompanhar as discussões de assuntos específicos ou de determinada indústria ou governo ou entidade, praticamente em tempo real, em cada uma dessas mídias e nas mídias tradicionais que  atuam na rede.  Por outro lado, estes softwares mostram apenas estatísticas que precisam ser analisadas em função do seu objetivo. E este papel de análise pode ser feito por jornalistas com a contribuição de outros profissionais.

A rede hoje em certa medida é uma balbúrdia. Você tem uma porcentagem muito grande do público, com certeza mais do que 50%, que não consegue fazer distinção entre informação estruturada, relevante, primária ou uma  análise fundamentada e com valor   da “informação” dos espertalhões que estão fazendo marketing no mau sentido, retrabalhando informações de terceiros sem acrescentar  nada, fazendo  barulho para pegar vítimas.  As tradicionais empresas jornalísticas, com a força de suas marcas e sua relação centenária com a cidadania, deveriam estar oferecendo este serviço também. De monitoramento, de curadoria da rede, de agregação temática e de público.  Com isso, se colocariam como um dos vetores do processo de debate e articulação da sociedade na rede.

Enquanto a velha indústria fica parada, veja o Google… Com menos de 15 anos de idade, fatura mais com publicidade que todos os grupos jornalísticos norte-americanos juntos.

Página 22 – E os jornalistas? Qual o futuro para estes profissionais?

Rodrigo –  Antes, o profissional de informação se preparava para fazer carreira em uma empresa que o ajudava a expô-lo para o público, ajudava a promovê-lo como jornalista. Agora, ele terá que encontrar seu próprio caminho. A Universidade de Stanford, Columbia e outras nos Estados Unidos estão discutindo como fomentar o empreendedorismo entre os estudantes da área jornalística.

Os novos jornalistas terão que criar sua própria estrutura de trabalho ou manter relações mais abertas com as empresas tradicionais que sobreviverem. As oportunidades são muitas, este campo nunca esteve tão aberto. É um momento de profunda e acelerada mudança. Os profissionais que já percorreram meio caminho de suas vidas na estrutura antiga sentem uma justificada insegurança. Tecnologia é tudo aquilo que inventaram depois  que você nasceu. Não está no seu córtex, você não sabe pensar naturalmente com aquilo, não  é ainda uma extensão  da sua inteligência, das suas possibilidades.

Para quem está começando agora, as oportunidades são infinitas. O futuro do jornalista está no empreendedorismo. E o futuro das tradicionais empresas jornalísticas está no processo de digitalização das empresas de todos os setores, que  abre um novo campo de receitas que pode ser tão importante quanto os classificados, o velho marketplace,  foi para o jornal de papel. Em outra dimensão, é importante frisar. A Ágora agora é  pública. Cada um de nós está no centro do processo na Web, na rede.

Página 22 – Ao criar um um sistema de informações econômico-financeiras em tempo real, o Broadcast, sucesso instantâneo no início dos anos 1990, você previa esta migração do jornal de papel para o eletrônico?

R – Minha visão, ainda no início dos anos 90, era que a empresa jornalística que ia dar certo nesta nova fase seria aquela que tivesse coragem de se “perder na rede”.  Quando criei, na Agência Estado, o serviço de informação em tempo real (pregões das bolsas, notícias e análises) Broadcast, a ideia era construir um bom negócio e a plataforma de aprendizado da S.A. O Estado de S Paulo para o mundo das telecomunicações, da computação e do software, para o mundo da economia digital, que batia nas nossas portas.

Em 1992, éramos líderes deste mercado, posição que a Agência Estado ainda ocupa mesmo com a competição de gigantes como Reuters e Bloomberg. Naquela época, desenvolvemos um serviço taylorizado para o mercado brasileiro em relação às bolsas e mercados usados pela maior parte dos agentes do setor financeiro e injetamos no  serviço uma competentíssima cobertura jornalística técnica do  mercado financeiro e de informações locais de cunho geral que impactavam os  mercados. Isso com um preço adequado. A Broadcast era o fuscão envenenado; o rolls royce era a Reuters. Hoje, o rolls royce é a Bloomberg, mas a Broad continua liderando o mercado.

Mas tanto a Broadcast quanto os  outros serviços que  criamos na Agência Estado estavam estruturados sobre o velho modelo de monetização a partir da sua capacidade de distribuir informação.  Quando propus para o Conselho do Grupo Estado o projeto Broadcast, entre os argumentos estava o de que os classificados iriam migrar para o resultado  da convergência entre telecomunicações, computação e software. O MIT – Media Lab,  foi um dos primeiros centros  de think tank do novo cenário que estava se desenhando e eu estava lá, desde o  início da década de 90.  Em 1997, escrevi um artigo que já previa o desenvolvimento do cenário que estamos vendo hoje.

Em termos empresariais, meu objetivo era vender o sistema Broadcast a partir do momento em que a internet estivesse mais estruturada e a banda larga mais disseminada no Brasil (isso ocorreu em meados dos anos 2000). E colocar o foco no varejo da economia brasileira, se voltar para setores como micro e pequenas empresas, agronegócio, tecnologia, educação. A informação jornalística seria uma cunha para entrarmos com  serviços de articulação de setores e mercados no processo de digitalização da economia. A receita viria de processos de gestão  de relacionamento e serviços,  não da venda de informação.

Era esse o plano porque estava claro para mim que o mercado financeiro é um mercado das empresas que estão nas capitais financeiras do mundo e por isso nasceram globais. Nova York (Bloomberg) e Londres (Reuters). Em termos locais, o mercado brasileiro, é um mercado pequeno. A capacidade de investimento das empresas globais  neste mercado é muito maior do que o nosso. Enquanto o mercado de articulação e digitalização do varejo da nossa economia tem um potencial muito maior e tem muito mais  a  ver com o papel histórico dos jornais: servir como plataforma de articulação  da sociedade. A notícia, a informação editorial e a comercial, é um meio, não o  fim. Sempre foi assim.

Página 22 –  Entendo que você levou adiante seu projeto de criar processos de articulação na rede.

 Rodrigo – Sim, desde 2002, quando profissionalizamos a gestão da “S.A. O Estado de S Paulo” e eu saí, desenvolvo projetos de gestão de relacionamento na Web, rede, para empresas, setores e entidades. Começamos em Biriguicom uma rede de colaboração, conhecimento e negócios para a capital do calçado infantil. Perdi  dinheiro, mas aprendi muito.

Depois disso, desenvolvemos dezenas de projetos.  Entre eles, a plataforma Peabirus, o TEIAmg, maior projeto de processos crowdsourcing do Brasil,  a Rede CIMPequenas Empresas & Grandes Negócios da Globo, Museu em Rede, O Milagre de Santa Luzia, Raio Brasil, a República Popular do Corínthians entre outros. Um longo caminho de aprendizado, da minha  adolescência e meu sonho  de ser o repórter dos confins às novas fronteiras do desenvolvimento da sociedade humana, a Web, a rede.

Breve, estaremos lançando novos projetos. Agora, com o objetivo de criar uma empresa de informação aberta na Web, na rede,  da qual não seremos  donos nem teremos  o controle, mas teremos o domínio e a gestão.

Página 22 – Confins, acompanho-o por meio deste blog e outros canais que você mantém na rede. Que objetivos você tem com eles?

Sou jornalista, com uma forte e acentuada tendência para o empreendedorismo. Acho que esta característica por causa das circunstâncias do tempo que vivi e vivemos e por  respeito, admiração e amor pelo meu bisavô, meu avô e acima de tudo pelo meu pai, o  jornalista Ruy Mesquita. Na S.A. O  Estado de S  Paulo fiz tudo o que pude para contribuir para a perpetuação da empresa, para abrir um novo caminho no novo sertão, que é a fronteira da Web, da rede. Dei à empresa muito mais  do que recebi nos meus  quase 30 anos de dedicação exclusiva a ela.

O blog Confins é a minha landing page. Minha formação é em História. Para desenvolver os meus projetos, tive que me debruçar sobre a cobertura jornalística da evolução do ecossistema de informação, comunicação e articulação da sociedade e procurar dominar as mídias/ferramentas que vão surgindo na Web, na rede. Daí, o jornal dos confins, o meu canal no rebel mouse, no google+, no linkedin, no  facebook, no youtube, no peabirus, no  twitter, no pinterest, no scoop.it, no scribd, no slideshare, no delicious, no instagran  e outros. Eles estão mais ou menos interligados e em todos é o mesmo foco de conversação: a evolução do ecossistema da informação… Além desta função, há a do aprendizado para usar estas ferramentas na construção  das nossas redes sociais de interesse específico.

Não trabalho sozinho, tenho sócios, somos um time. Eles são mais moços do que eu. Têm mais agilidade e conhecimento para o desenvolvimento dos ambientes de curadoria, agregação, articulação e governança que desenvolvemos, a partir de processos estruturados de monitoramento da rede. O new new new jornalismo. Eu trouxe esta visão que desenvolvi graças a ter “nascido dentro das redações” da “S A O Estado de S Paulo”, de ter sido primeiro sponsor de programas do MIT – Media  Lab e depois pesquisador afiliado, durante quase 15 anos, deste que foi naquele tempo a Escola de Sagres dos novos tempos. Além disso, puxo a articulação no mundo físico (analógico)  e digital.

#

Sobre os impactos deste processo na sociedade como um todo ver o post A infraestrutura do futuro.

Nele, utilizando entrevistas em vídeo de Alvin Toffler, Yochai Benkler e Marshall McLuhan,  procuro tecer o quadro do  momento da transição de uma era para outra  que estamos vivendo.

Alvin TofflerAs nações estão perdendo seu poder relativo… a propagação não só de computadores, como também de outros sistemas de comunicação e redes de todo o gênero, com isso  vemos atividades ocorrerem à margem do sistema ou mesmo à margem, em muitos casos, do controle das nações.

Yochai BenklerA principal mudança que a internet criou é a radical descentralização dos meios básicos de produção  de informações e conhecimento e cultura… pela primeira vez desde a revolução industrial estes recursos estão nas nas mãos da maioria da população.

Marshall MacLuhanTodas as mídias são extensão de alguma habilidade ou capacidade humana, mental ou física. A roda é uma extensão dos pés. O livro é uma extensão dos olhos. As roupas são uma extensão da pele. Circuitos elétricos (a internet, a web, a rede) são uma extensão do sistema nervoso central.  A extensão de qualquer um dos sentidos desloca (ou distorce) todos os outros sentidos. Altera o modo como pensamos, o modo como vemos o mundo, e a nós mesmos. Cada vez que uma mudança dessas ocorre, as pessoas mudam.

FB, twitter, google+, instagram, tumblr, youtube, nem o diabo são donos da minha rede social.

O jornal não é nosso, é do público

O jornal não é nosso. É do público.

 

As redes sociais ainda não têm maturidade para serem tão orgânicas  quanto poderão vir a ser. A ética deste novo mundo ainda está sendo gestada no âmago de todos nós. E a expansão da sociedade analógica para sua extensão digital é muito recente.

Abstraindo isso, os fundamentos institucionais, convivemos com o imponderável do antrópico algoritmo das plataformas sociais (FB, twitter, youtube, tumblr, flipboard, google+ etc etc etc), regidas pelos objetivos comerciais de cada uma das empresas que as mantêm.

Como se fosse preciso intrincar um pouco mais o cenário, a maioria dos usuários e mesmo analistas dos fenômenos de articulação do público e da opinião pública por meio da internet confundem ferramentas (FB, twitter, youtube, tumblr, flipboard, google+ etc etc etc) com processos.

Rede social é processo, não as ferramentas que são usadas na estruturação dos processos digitais de conversação e compartilhamento de informação. Verdadeira ou falsa. Os fluxos de informação das redes sociais que participo em função da base das minhas amizades, dos meus interesses, dos meus sonhos, eticamente sustentados.

As redes sociais são tão orgânicas quanto a maturidade digital de quem as utiliza

As redes sociais são tão orgânicas quanto a maturidade digital de quem as utiliza

 

As redes sociais nasceram quando o homem se tornou um animal gregário e foram se sofisticando conforme a sociedade humana foi evoluindo e se tornando mais complexa. A internet, a rede, exponenciou esta complexidade ao permitir que todos nós estruturássemos nossas redes sociais, a base de relacionamento de cada um de nós (indivíduos, partidos políticos, entidades, setores da economia etc) digitalmente.

Quando e se a imprensa tradicional entender isso e por isso se inserir de forma coerente nos fluxos de informação das redes sociais e criticar com conhecimento de causa a responsabilidade das empresas que mantêm plataformas pelo pandemônio que ajudam a formar nos processos de comunicação contemporânea , graças aos seus algoritmos manipuladores regidos exclusivamente por seus objetivos comerciais, poderá haver um renascimento do Quarto Poder.

Yochai Benkler, Robert Faris, Hal Roberts e Ethan Zuckerman, cientistas da comunicação apontam isso em recente estudo que foi objeto desta matéria https://www.cjr.org/…/breitbart-media-trump-harvard-study.p… da Columbia Journalism Review . Abaixo, a conclusão do estudo resumido no artigo do centro mantido Columbia University.

“Reconstruir a base sobre a qual os americanos podem formar uma crença compartilhada sobre o que está acontecendo é uma pré-condição da democracia. Esta é a tarefa mais importante da imprensa daqui para frente.

Nossos dados sugerem fortemente que a maioria dos americanos, incluindo aqueles que acessam notícias através de redes sociais, continuam a prestar atenção à mídia tradicional, seguindo as práticas jornalísticas profissionais e cruzando referências com o que lêem em sites partidários com o que lêem em sites de mídia de massa.

Para conseguir isso, a mídia tradicional precisa se reorientar, e não pelo desenvolvimento de conteúdos virais para competir no ambiente de mídia social, mas por reconhecer que ele está operando em um ambiente de propaganda e rico em desinformação.

É este, não os adolescentes da Macedônia ou ou o Facebook, o verdadeiro desafio dos próximos anos. Vencendo este desafio poderá conquistar uma nova era de ouro para o Quarto Poder”.

AE, urgente: a mídia somos nós

O Estado de S. Paulo, 23/02/05

O primeiro site de informação jornalística no Brasil – o da Agência Estado – começou a nascer em 1988. A visão de que o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação, TICs, iriam determinar o futuro das tradicionais empresas jornalísticas, foi o mote para iniciar a transformação de uma unidade operacional do Grupo Estado numa inovadora empresa virtual de informação.

Estávamos em 1988 e o objetivo explícito era o de criar um serviço de informações econômicas em tempo real, visto que a comunidade financeira era a única, naquela época, em condições de sustentar uma empresa de informação com estas características. O objetivo implícito era iniciar o processo de conquista de conhecimento para, no futuro, contribuir para o processo de migração dos tradicionais negócios de uma empresa jornalística do papel para as redes de comunicação e os diversos displays que elas comportam.

A primeira rede de distribuição de informação da AE era estruturada num sistema que utilizava a sub-banda do FM. A Embratel era monopólio estatal e a alternativa para este sistema seria as linhas privadas que, em função da inexistência de um mercado competitivo, eram caras e de operação duvidosa. Era impossível imaginar que as TICs apresentariam a evolução geométrica que vêm ocorrendo desde aquela época. Muito menos que, no início do séc. XXI, as tecnologias não proprietárias estariam iniciando o processo de superação dos grandes monopólios que nasceram com o início desta nova aventura da humanidade.

A Agência, neste processo, atingiu um grau de excelência informativa que a levou a uma situação de referência de mercado. Talvez, seja a única empresa de informação brasileira cujos processos de captação, processamento e distribuição de informação tenham sido, sem exceção, estruturados em rede. Isso também foi verdadeiro para seus processos administrativos, comerciais e tecnológicos. Uma empresa organizada em rede – células de profissionais multidisciplinares com liberdade e responsabilidade para criar e preparar o futuro.

A abertura de caminho para conquistar outras formas de relação com o mercado, além do tradicional modelo de negócio sustentado por distribuição de informaçao, foi possível para a AE por causa desta organização funcional em rede e porque, também em função desta filosofia, a empresa nestes anos todos conquistou um profundo conhecimento das tecnologias de informação e comunicação e suas possibilidades, especialmente as de código aberto.

Por uma questão de custo x benefício, a empresa começou a desenvolver-se em cima do sistema operacional aberto Linux e de softwares livres (o ecosistema linux), a partir de 1996. A consciência dos profissionais da necessidade que tinham de criar novas plataformas de relacionamento com o público, aliada a uma postura aberta em relação à tecnologia, permitiu um primeiro grande avanço neste novo mundo. E daí começa a se explicar a liderança da Agência.

O porvir das tradicionais empresas de informação, está claro, dependerá da capacidade delas para, paulatinamente, desenvolverem novos modelos de negócios sustentados por operações de network. A Internet é muito mais do que um meio adequado para organizar e distribuir informação. É uma nova infra-estrutura que permeia todas as relações e atividades humanas. Como meio de comunicação, é o mais importante desde a prensa de Gutenberg. É um novo ecossistema para a humanidade explorar, abrir novos caminhos e construir novas oportunidades.

Ela contém todos os meios que vieram antes e, por ser rede, enriqueceu este conjunto com a convergência e a interatividade. Este novo ecossistema provoca a mudança, induz a rearticulação dos processos de produção de conteúdo e de riqueza. E com isso abre um novo caminho para o público e, pela primeira vez, com o público. Revirando e contrariando a maioria dos conceitos que assumíamos sobre mídia e sobre modelos de negócio em geral. No mundo da Internet, a rede, nós somos definidos pelo que sabemos e pelo que compartilhamos. Sem conhecimento e sem compartilhamento não se vai a parte alguma.

As empresas jornalísticas tradicionais, no entanto, ainda não despertaram plenamente para este fato. Junto com os outros meios de massa broadcast – a TV aberta e o rádio – detinham, até o advento da Web, praticamente o monopólio de distribuição de informação para uma determinada comunidade, num espaço físico específico. Talvez por isso mesmo esta indústria tenha restringido sua atuação, neste primeiro momento do novo ambiente em construção, a procurar emular seu modelo de negócio, que historicamente se sustenta em função da franquia que deteve até recentemente de distribuição de informaçao editorial e comercial, para o mundo da Internet.

Isso contribuiu para que a rede seja entendida pelo público quase que exclusivamente como uma enorme biblioteca digital composta por sites ou portais, com maior ou menor volume de informação, mais ou menos dinâmicos e com ferramentas melhores ou piores, para manusear e usar a informação. Sua enorme capacidade de organização e publicação de qualquer tipo de conteúdo acabou dando o tom, nestes primeiros anos. Talvez não poderia ter sido diferente, mas mesmo assim não foram poucas as mudanças que ela gerou e vem fomentando nas nossas vidas.

Aspas, uma confissão

Não acredito que os blogs ou os wikis (softwares de publicação de facílima utilização que permitem o desenvolvimento de conteúdos individualmente ou coletivamente), como estão conformados hoje, vão substituir o jornalismo tradicional. A única certeza que tenho é que o processo de formação de opinião daqui para a frente será cada vez mais autônomo, difuso, fragmentado, complexo e sofisticado.

Vejo a internet como uma infraestrutura para articular qualquer tipo de relação humana. Sejam elas de cunho econômico, político ou social. A rede não é só um novo meio de comunicação, apesar de neste primeiro momento ter servido antes de tudo para organizar e distribuir informação. Ela é antes de tudo fator de rearticulação de processos, privilegiando as possibilidades de cooperação, colaboração e compartilhamento.

As tradicionais empresas jornalísticas ignoram estes fatos e, também por isso, vêm perdendo mercado há anos. Suas estratégias são exclusivamente defensivas: jornais populares, jornais gratuitos, tablóides e reformas editoriais clássicas. Nenhum movimento estratégico para procurar explorar as possibilidades de network.

O mundo mudou. Na Idade Média quem dominava a informação era Igreja e o poder temporal. Com a Renascença e o conjunto de inovações que a impulsionaram, entre elas a criação da prensa por Gutenberg, a Igreja e seus aliados perderam este monopólio. A burguesia ascendente teve acesso ao conhecimento e à possibilidade de publicar e vender suas idéias e valores.

Em meados do séc. XIX, o jornalismo começou a virar negócio. As publicações deixaram de ser panfletos de vida efêmera para se tornarem perenes e gerarem uma plataforma de negócios. O apogeu disso ocorreu entre as duas grande guerras. Hoje, com a infra-estrutura de redes, o modelo de negócio baseado exclusivamente em distribuição de informação morreu (não é morte súbita, é um definhar lento e dolorido.). Sempre será mais fácil entender a crise que o declínio.

Em 1930, São Paulo tinha 800 mil habitantes e o principal jornal da cidade circulava com 100 mil exemplares. Seus classificados eram a principal rede de vendas da cidade. Não existiam cadeias de lojas ou de supermercados. Os jornais aqui e em cidades semelhantes eram os principais canais de vendas de uma enorme gama de produtos e serviços – uma plataforma de relacionamento ajustada e adequada para a época como nenhuma outra em todos os tempos. Isso permitiu que os jornais desenvolvessem em todo mundo um jornalismo caro e sofisticado.

Fechas aspas, o mundo em rede

Este tempo acabou. Vivemos num mundo interconectado em tempo real. A minha geração, que foi surpreendida por este processo no meio do caminho, não terá tempo para reaprender a pensar, num contexto tão profundamente modificado por novas ferramentas e possibilidades. Sua responsabilidade é a de facilitar o caminho para as gerações que se seguirão. Estas viverão num tempo em que a conexão será uma commodity, um direito tão fundamental quanto o de votar. Assim como o equipamento para se conectar.

A segmentação da informação, que é possível hoje graças ao poder de distribuição cada vez mais barata e rápida, leva naturalmente à formação das comunidades, e de comunidades dentro de comunidades, e a atenção compartilhada dá um centro de gravidade a elas. A interatividade que a rede traz leva às tecnologias de colaboração, de compartilhamento e de geração de novos espaços de conexão humanos, e cria todo um novo modelo de produção de conteúdo e de riqueza. É esta a mudança mais profunda e radical e, neste contexto, as empresas de informação deixaram de ser o centro.

O cidadão, o usuário, passa neste novo mundo em construção a ser ativo, respondendo on line aos estímulos de atenção e recriando-os. Ele é o centro de geração e ampliação da atenção e dos estímulos. Não mais uma antena, mas um roteador. Não mais um elemento em linha, mas um processador em paralelo. O cidadão é único e fundamental, mas varia na intensidade de sua participação e não pode ser discriminado, é um comunitário. Não podemos menosprezar a quantidade de informação (e, eventualmente, qualidade) que blogs, wikis e outras ferramentas de publicação, que serão desenvolvidas, aportam e aportarão cada vez mais ao processo. São milhões de repórteres com celulares e câmaras, num processo em rede que mal se iniciou e que vai amadurecer.

As tradicionais empresas de informação poderiam ocupar espaços importantes neste processo. A conectividade, enquanto pensamos com o modelo velho na cabeça, implica gradação: ilhas (jornais), arquipélagos (meios de
maior alcance, rádio, tv), o planeta ligado (conectividade ilimitada,
dispersão instantânea da informação, potencialização de nichos e
comunidades isoladas).O que gera necessidade de centros referenciais da busca pela informação, que é global e irrestrita. O Google, neste sentido, é um exemplo que poderia ser referência para os jornais.

Ninguém mais pode controlar as possibilidades de criação, de comerciar, de distribuir, de achar e de interagir dos cidadãos. A barreira de entrada para a mídia foi demolida. A transmissão de informação deixou de ser monodirecional para se transformar num ‘pool’ aberto. Isso muda tudo: as inter-relações, a equação econômica, a estrutura de poder.

Neste mundo novo, o controle está mudando para as mãos do cidadão. O futuro da mídia está nas mãos do público. As tradicionais empresas jornalísticas, os políticos, o governo e o marketing das corporações distanciaram-se da sua dimensão humana ao se colocarem em pedestais frente ao público. Não admitem erro. Por isso resistem em entrar em processos de conversação e têm enorme dificuldade para perceberem que a notícia não acaba quando é impressa e difundida.

Não percebem que o verdadeiro ciclo da história começa aí, quando o público levanta questões, acrescenta fatos e corrige erros, levando a uma nova perspectiva mais próxima da verdade.

O objetivo primordial da mídia talvez seja o seu mais tradicional e valoroso, que vem a ser a defesa da civilização, da democracia e da ética, mas agora na velocidade deste novo tempo. Por isso é primordial que se busque estabilizar este grande e impulsivo criar de comunidades por meio de uma plataforma de valores humanos geradora de confiança entre as pessoas.

É esta a lição que se começou a receber e se poderia aprender, na construção da história da Agência Estado. Os 10 anos de atuação na rede com um portal de informação aceleraram e aprofundaram o processo de aprendizagem. E com certeza ainda há muito mais que aprender do que usufruir.

Rodrigo Lara Mesquita

Uma visão da crise e um alerta às elites

 A cultura literária é visual e separada (ou alienada). Ela cria o homem civilizado, o homem “destribalizado’. O homem que não está envolvido. E o efeito da Revolução Elétrica (esta que estamos vivendo) é criar novamente um envolvimento que é integral.
Por que de repente a arte a cultura se tornaram grandes negócios, como é a grande ciência? Os motivos para isso estão relacionados com o fato de que vivemos em uma Era da Informação. Quando se vive em uma Era da Informação, a cultura se torna um grande negócio, a educação se torna um grande negócio, e a explosão da cultura através da explosão da informação torna-se cultura por si mesma, derrubando todas as paredes entre cultura e negócios.

A crise brasileira reflete a morte da democracia representativa no Ocidente” e corremos o risco de assistir “a ascensão de democracias não liberais (uma plutocracia mundial) ou de ditaduras plebiscitárias escancaradas, nas quais o líder eleito exerceria controle tanto sobre o Estado quanto sobre os capitalistas“.

Fernando Henrique Cardoso, autor do artigo cujo título abre o lead deste, é o último estadista da nossa época. Em seu artigo aponta “as grandes transformações econômicas e tecnológicas, responsáveis pelo enfraquecimento dos Estados nacionais, em sociedades cada vez mais fragmentadas e expostas a tensões e desequilíbrios de uma crescente diversidade cultural”, como fatores críticos da crise.

Martin Wolf do Financial Times, autor da advertência sobre a ameaça que ronda todas as democracias ocidentais que fecha o lead deste artigo, é o mais arguto analista da imprensa econômica mundial. Faz anos que vem publicando periodicamente artigos chamando a atenção das elites globais sobre sua responsabilidade em relação à crise que estamos atravessando: instituições desajustadas, políticas econômicas concentracionistas, bancos cada vez mais especulativos e descontentamento global dos “perdedores econômicos”. Para ele, não foi surpresa a vitória de Trump  nas eleições norte-americanas, mera consequência (No final deste artigo, links para uma série de análises deste quadro do  Martin Wolf).

No início do ano, o caderno de leitura do Valor publicou uma entrevista do economista francês Robert Mayer na qual referendava tanto Fernando Henrique Cardoso quanto Martin Wolf. Mas, além disso, argumentava que, no plano teórico, o maior empecilho para superarmos a crise financeira é a “incapacidade da própria ciência econômica de explicar as razões da crise e solucioná-la com as ferramentas até então disponíveis em seus manuais”.

Faltou para os três, e acredito que é por isso que ninguém consegue explicar as razões da crise, uma análise da ruptura mais profunda que a sociedade humana sofreu em todos os tempos: a dramática mudança do seu ecossistema de informação de processos broadcast para processos em rede, a primeira descentralizada e sem controle da História da humanidade,  na qual cada um de nós está no centro, o que não contribui para a cooperação e colaboração. Ao contrário, polariza o debate social e fomenta uma sociedade narcisista e egoísta.

Harold Innis, economista canadense que começou sua vida acadêmica analisando a relação dos países periféricos com os centrais, se tornou a maior referência da escola de comunicação de Toronto em função de seus estudos das sociedades, dos impérios, em função da sua “estrutura de linguagem” (discurso, escrita, arquivo, distribuição). Da escrita na pedra, cuneiforme e a oralidade grega ao papel e à invenção da bobina e das rotativas, que marca o início da comunicação de massa. Tudo que veio depois foi basicamente aceleração e ampliação. Isso até o corte da rede, o marco de início da Era Elétrica, na qual o sistema de comunicação da sociedade é uma extensão do nosso sistema nervoso.

Innis, mentor de Marshall McLuhan, no livro O viés da comunicação, argumenta em síntese que “o tempo social é definido pela linguagem que restringe e fixa conceitos prévios e modos de pensar”. Tanto ele quanto McLuhan defendem a tese de que o que molda a sociedade é a forma como ela se informa, o ambiente tecnológico pelo qual ela se informa e não o conteúdo que ele carrega.

Robert Boyer na entrevista ao Valor, adverte que não podemos esquecer que a saída para a Grande Depressão de 1929 só foi possível depois da 2ª Guerra Mundial. Para ele, “o desafio é encontrar uma solução que leve em conta três fatores principais: a recuperação dos EUA, o dinamismo da China e o esgotamento dos recursos naturais”.

Bato nesta tecla desde os anos 80, influenciado por Fernand Braudel, o grande historiador da nossa época, que no final dos anos 70, numa entrevista de fôlego com o ponto de partida na primeira grande crise do petróleo,  fazia uma análise do quadro que vivíamos argumentando que aquela crise era só a ponta do iceberg, que estávamos entrando numa crise de longa duração, uma “onda longa”, os ciclos de Kondratiev. E ia mais fundo do que o Robert Boyer argumenta na boa entrevista ao Valor sobre o estado de “envelhecimento” e desajuste das instituições.

Para Braudel, o conjunto dos conjuntos das estruturas avançou à frente das instituições que regulam a sociedade, as do nosso tempo amadurecidas a partir das revoluções burguesas na Europa em meados do século 19. Na entrevista, argumentava que já nos anos 80 não sustentavam uma sociedade muito mais complexa, fragmentada e com uma dinâmica infinitamente mais rápida do que a da sociedade do tempo em que elas se conformaram.

Depois de uma rápida viagem pelos tempos da história e suas rupturas, terminava a entrevista dizendo que os políticos, os economistas, as lideranças dos processos institucionais iriam dizer que a crise iria passar. E comentava que estavam no papel deles, têm que passar esta mensagem para o público, mas a crise está aí para ficar. Ela terá seus ciclos, momentos piores e melhores, mas vai durar um bom tempo. A formação das instituições é um processo lento consequência de um amplo pacto social.

Isso foi bem no início dos anos 80. De lá para cá rolou o que sabemos até a emergência da internet, marcando o início da Era Elétrica, prevista e estudada por uma série de pensadores voltados para os impactos dos processos de comunicação na sociedade. Das trilhas do passado e suas possibilidades à velocidade da rede, a extensão do nosso sistema nervoso, e seus impactos em tudo nas nossas vidas e no arcabouço cognitivo dos indivíduos e da sociedade.

A crise política brasileira torna-se dramática neste contexto. Cabe às nossas elites se conscientizarem sobre este processo e liderar um movimento civilizatório que permita ao Brasil superar seu atraso secular em relação às questões referentes ao conceito de cidadania dos séculos 19 e 20 e avançar sobre este novo tempo investindo o que for necessário em infraestrutura tecnológica e educação. A Internet não é apenas um monte infinito de informações. Ela tem vida. Tem alma. Quando você entra nela e aprende a ouvi-la, com a devida atenção e cuidado, você aprende com ela, que reflete os anseios da sociedade. Não existem dois mundos: um analógico, outro digital. Um é a extensão do outro.

A alternativa é caminhar para o caos, com momentos de anomia e conflito social. Talvez sem caminho de volta.

 

Fracasso das elites é ameaça para o nosso futuro

Os perdedores econômicos estão se revoltando contra as elites

Tragam nossas elites para mais perto do povo

Uma elite à mercê daquilo que ela mesma criou

A ira populista deveria servir de alerta às elites do planeta

 

 

O papel do jornal

Não procuro dirigir nem criar a opinião pública no meu Estado.  Ao contrário, procuro apenas sondar com cautela as opiniões em que o Estado se divide e deixo-me ir, confiado e tranquilo, na corrente daquela que me parece seguir o rumo mais certo.

Júlio Mesquita – 1862 – 1927, uma cabeça  de rede em qualquer época

Rede social sempre existiu, o desafio é trabalhá-la também no mundo digital e, consequentemente, na nova infraestrutura da economia. É este o caminho para as velhas redações  continuarem desempenhando seu papel no ecossistema da informação, comunicação e articulação da sociedade. Se dominam (como deveriam) o ferramental da internet, suas mídias e ferramentas, cabe a elas construir, manter e contribuir para a articulação de redes de interesse e segmentos da sociedade, que é o papel histórico dos jornais.

Redes sociais não são as ferramentas/mídias (FB, Twitter, Blog, Sulia, Pinterest, Papper.li, Scoop.it, Ning, Youtube, Tumblr, Google+, RSS, o diabo). São as suas (você indivíduo, você entidade, você empresa)  relações (amigos, consumidores, fornecedores, distribuidores) articuladas por meio das ferramentas/mídias que você escolheu para estruturar a sua rede social  com as tecnologias digitais na Web

Monitoramento + curadoria + edição jornalística da aparente balbúrdia (O dilúvio está aí, falta o Noé) considerando a arquitetura da nova infraestrutura, a nova plataforma da informação, comunicação, articulação da sociedade, é o desafio que temos pela  frente. Ênfase para organização da informação, sem menosprezar a cobertura jornalística clássica. As fontes estão na rede, todas as fontes estão na rede. Não existem dois mundos, o analógico e o digital. Um é extensão do outro.  Conteúdo não é consequência da sua capacidade escrevinhadora. O conteúdo é o ponto de partida  para a articulação  da sociedade em torno dos seus  interesses. O momento hoje é das redes digitais. A geração  de conteúdo – monitoramento + curadoria + edição jornalística (agregação) – é o caminho para construir redes digitais de interesse específico ou de nicho, redes sociais dentro da rede e o conjunto das mídias que  a compõe.

O jornalista Frédéric Filloux, hoje um analista e consultor do setor, argumenta que o drama das tradicionais empresas jornalísticas (e dos jornalistas) é que ambos se sentem intelectualmente superiores aos mortais comuns. Em função disso, não mergulharam nas peculiaridades da internet. A principal delas é a capacidade do algoritmo de criar comunidade sobre comunidade a partir do nada. Nós jornalistas não somos o farol do mundo, somos uma ferramenta do público. Tanto nós quanto as empresas jornalísticas precisamos recuperar o papel de intermediário, de filtro, e abandonar os arroubos de ‘autoridade’, de donos da verdade.

A oportunidade está aí, num mundo mais fragmentado, complexo e rico. Monitoramento e curadoria (contexto e perspectiva) em processos organizados é o mercado para os velhos players. E é a Demanda Zero para a imensa maioria dos usuários da rede, vítimas da balbúrdia opinativa das mídias sociais. A notícia é o início da conversa, abre a porta para o diálogo, um convite para a participação. O negócio dos jornais é consequência da sua capacidade de articular públicos em torno de ideias, sonhos, problemas, consumo. A informação, editorial e comercial, é ferramenta. Nada mudou. Ficou mais complexo e rico.

A Web é infraestrutura, além de fonte básica sobre qualquer matéria. Uma redação  tem de estar preparada para “editar” a rede, com um determinado olhar, foco, viés, e com isso contribuir para a articulação de públicos, para a articulação da sociedade em torno dos seus interesses. A Web é um ecossistema mais complexo e fragmentado, composto por novas ferramentas/mídias e processos de interação, com uma dinâmica evolutiva jamais sonhada.

Rede social é a base das suas relações, seja você um indivíduo, uma entidade, uma empresa, um setor da economia, um partido político, uma igreja, o que for. Fornecer a arquitetura e estruturar estes processos na rede e suas ferramentas/mídias é a extensão natural do papel histórico dos jornais, das tradicionais empresas de informação, do mundo analógico para a sua extensão digital. Da informação segmentada para setores da sociedade para a organização de setores por meio da curadoria, agregação e articulação da informação do público, o que significa também geração de informação. O conteúdo ganha novos significados, num novo contexto, mas com a mesma perspectiva.

um esboço de modelo

Não é  mais possível menosprezar ou ignorar as novas possibilidades de organização que a Web nos traz. Os impactos vão da relação capital versus trabalho, à interação com o mercado; a nova infraestrutura permite e fomenta novas arquiteturas de negócios, novas arquiteturas de relacionamento político e novas arquiteturas de relacionamento social. Ela não é só um novo meio de armazenamento, processamento e distribuição de informação. É muito mais do que isso e, embora não seja a causa primária, compreendida em toda a sua dimensão, ajuda a entender a profundidade e extensão da crise global que estamos vivendo.

O jornal é um conceito, o ponto de encontro, a Ágora da pólis, a cidade-Estado na Grécia da Antiguidade clássica. Esta missão está viva na rede. A demanda de serviços e produtos de informação para a articulação e organização da sociedade é enorme. Os processos informativos das mídias sociais são um novo componente, mas ainda não conformaram o ponto de encontro, a praça para a reflexão sobre onde estamos e para onde vamos. O jornal de papel não desaparece neste processo, ele complementa a landing page para público, o eixo de sustentação deste novo processo, num conceito que vai muito além do  de home pages concebidas para distribuir informação ao invés de servir como ponto de encontro para a reflexão e o debate.

 

As mudanças extraordinárias do jornalismo!

julio_ousadia

O início da revolução

por Dirceu Pio

Há pouco mais de 20 anos, saímos do tempo diferido e entramos de  cabeça no tempo real; agora, somos forçados a esquecer o analógico e entrar de sola no digital. E o jornalismo ganha configurações jamais imaginadas!

        Tive o privilégio de pertencer à equipe que, sob a batuta de Rodrigo Mesquita, implantou o tempo real (realtime) no Brasil; tudo ocorreu nos anos 1990 através do projeto da Agência Estado – empresa do Grupo do Jornal O Estado de São Paulo – que saía da condição de agência de notícias para se transformar em agência de informações (enquanto a primeira abastecia de notícias os jornais de todo o país, a segunda começava a abastecer os mercados com informações para orientar o trabalho das mesas financeiras).

A troca de cultura que se irradiou a partir do projeto da Nova AE – como a Agência Estado era chamada por suas inovações – foi uma verdadeira epopeia: o jornalismo de então estava baseado num regime secular – captar uma informação, redigi-la, editá-la e publicá-la dentro de um prazo de 24 horas ou, quando menos, contemplando os interesses da TV, de oito a dez horas!

O tempo real quebrava esse ciclo na espinha forçando a divulgação instantânea das notícias… o marketing das grandes agências de informações mundiais (Reuters, Knight-Rider, Dow Johnes, Nikkei),  para conquista de novos assinantes nas mesas financeiras, baseava-se na velocidade com que as notícias importantes eram divulgadas… sair na frente em quatro ou cinco segundos fazia grande diferença!

Planejado pela Nova AE, o treinamento de jornalistas do Grupo Estado para assimilar a nova cultura foi uma guerra! Envolveu os melhores consultores nacionais e internacionais especializados na preparação das pessoas para receber uma novidade que iria mexer com vigor em hábitos sedimentados, práticas mais do que centenárias, formas consolidadas de apurar, escrever e divulgar uma informação! E o tempo real revolvia tudo, forçava mudanças vigorosas no jeito de produzir e fazer, uma nova cultura!

Em poucos meses, começávamos a colher os primeiros resultados… lembro-me do dia em que um dos repórteres do Grupo Estado assustou o CEO de uma grande corporação do Rio de Janeiro;  durante entrevista coletiva, ele fora informado por assessores que as informações que acabara de transmitir já repercutiam no mercado, divulgadas por celular pelo repórter que pioneiramente se engajara na cultura do realtime…

Não é fácil remover uma cultura sedimentada e substituí-la por outra nova… o novo tem de ser robusto para se impor… enfrentará resistência, reações em cadeia, intolerância, reprovação!

O AE News – o serviço informativo da Agência Estado em tempo real – entrou com tamanha força no mercado brasileiro que em menos de um ano de sua implantação foi capaz de alavancar a empresa, transformando-a em “case de sucesso” e líder absoluta do setor de divulgação de informações para mercados na América Latina…

“Isso vai virar uma coqueluche”, reagiu com acerto o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, ao ser apresentado a um terminal da Nova AE… E o AE News nascia junto com um novo jornalista, bem mais veloz na divulgação de seus escritos, bem mais consciente de suas responsabilidades frente à informação por saber que agora, ao invés de escrever para o público em geral, uma entidade quase abstrata, passava a escrever para mercados e para um tipo de usuário que iria ganhar dinheiro com sua informação…

NOVA MUDANÇA É MUITO MAIS ASSUSTADORA

Esses pouco mais de 20 anos que separam a introdução do realtime  dos dias atuais com certeza não foram suficientes para preparar o jornalista para a mudança em curso – da passagem do jornalismo analógico para o jornalismo digital… Esta sim é uma verdadeira mudança, avassaladora!

O mais assustador nestas transformações é saber que a mudança está em curso e não se vislumbra um prazo para que ela se apresente por inteiro, com começo, meio e fim! O terreno onde o jornalista atua hoje é movediço, traiçoeiro, fluido! Nada do que é hoje pode ser também amanhã!

Mas vamos pensar um pouco: afinal, o que essencialmente mudou? O jornalista por acaso não é mais aquele profissional que capta uma informação, destila e a divulga? A resposta pode ser sim e ao mesmo tempo ser não!

Ah, quer dizer que o jornalista também não é mais aquele que tem e cultiva fontes exclusivas? A resposta também pode ser sim e não!

Afinal que diabo faz o jornalista nessa nova atmosfera na qual a internet introduziu as redes sociais, a interatividade, a possibilidade de transmissão de qualquer tipo de arquivo – leve, pesado, com documentos, sem documentos, com imagens estáticas, com imagens em movimento – e a possibilidade de acompanhar e captar, importar, compartilhar informações do mundo inteiro, em tempo diferido e em tempo real?

Boa pergunta, mas sinto dizer que não sei respondê-la e acho improvável que exista no mundo alguém que tenha uma resposta plausível! O que vejo é o pipocar de zilhões de experimentos em toda parte, o que, diga-se de passagem, é algo extraordinário!

No meio dessa tsunami de inovações e experimentos, o que eu faço? Experimento também, tateio, avanço, recuo, ouso não ouso, observo, sobretudo observo!

A inflexibilidade soberana no analógico tem de dar lugar a uma condescendência responsável no digital, pois neste o mundo se abriu para a colaboração, para a provocação, para a análise, para o humor, para o desabafo! Basta dizer que somos, os jornalistas, produtores, divulgadores editores ou mesmo compartilhadores de informações!

Nesses avanços e recuos proporcionados pelo que eu chamo de “nova atmosfera” temos grandes perdas e grandes ganhos; quando a internet liquida com os meios impressos e agora já ameaça acabar também com a TV aberta, perdemos!

Quando a internet nos oferece mil canais de divulgação para as coisas que produzimos, ganhamos! Quando a internet nos permite acesso a informações qualificadas dos mais diferentes sites e blogs, também ganhamos – e muito! A certeza que aflora é que tudo vai piorar muito antes de voltar a melhorar !

A internet, como eu já disse, é a grande maravilha do século XXI !

Ainda hoje pela manhã ao ligar a TV e ser informado que o Reino Unido ainda não saiu da União Europeia, indignado, postei: “Vou dar prazo de uma semana… e se até lá o Reino Unido não tiver saído da União Europeia, vou lá e tiro no tapa!”

Ganhei de leitores brasileiros inúmeros kkkkkkkkk e de minha sobrinha, a jornalista Fabiana Pio, que mora em Londres, uma frase enigmática: “Não faça isso, deixe assim !”

O PAPEL DO JORNAL

por Rodrigo Mesquita

A AE, Dirceu Pio, começou a trabalhar com a rede em 92, na véspera da ECO 92. Era ainda a APARNET. O seu artigo é sobre o início do desafio de criar uma nova cultura de envolvimento com os fluxos de informação.

Os fluxos se tornam mais complexos e fluidos conforme a sociedade humana evolui na conquista do espaço em que está inserida, que sempre foi analógico e “digital”, este antes restrito às ondas de idéias, do imaginário, dos sonhos.

Voce foi e continua sendo uma referência neste processo de evolução, com profundas rupturas, do ecossistema de informação e comunicação da sociedade. Ninguém tem a formula do futuro, que será sempre beta daqui pra frente, se é que não foi desde sempre, desde a escrita na pedra.

Os caminhos, os peabirus, são muitos. O meu está refletido neste artigo de 2013.

um grande abraço, companheiro de viagem.

O PAPEL DO JORNAL

Não procuro dirigir nem criar a opinião pública no meu Estado. Ao contrário, procuro apenas sondar com cautela as opiniões em que o Estado se divide e deixo-me ir, confiado e tranquilo, na corrente daquela que me parece seguir o rumo mais certo.

Júlio Mesquita – 1862 – 1927, uma cabeça de rede em qualquer época

Rede social sempre existiu, o desafio é trabalhá-la também no mundo digital e, consequentemente, na nova infraestrutura da economia. É este o caminho para as velhas redações continuarem desempenhando seu papel no ecossistema da informação, comunicação e articulação da sociedade. Se dominam (como deveriam) o ferramental da internet, suas mídias e ferramentas, cabe a elas construir, manter e contribuir para a articulação de redes de interesse e segmentos da sociedade, que é o papel histórico dos jornais.

Redes sociais não são as ferramentas/mídias (FB, Twitter, Blog, Sulia, Pinterest, Papper.li, Scoop.it, Ning, Youtube, Tumblr, Google+, RSS, o diabo). São as suas (você indivíduo, você entidade, você empresa) relações (amigos, consumidores, fornecedores, distribuidores) articuladas por meio das ferramentas/mídias que você escolheu para estruturar a sua rede social com as tecnologias digitais na Web

Monitoramento + curadoria + edição jornalística da aparente balbúrdia (O dilúvio está aí, falta o Noé) considerando a arquitetura da nova infraestrutura, a nova plataforma da informação, comunicação, articulação da sociedade, é o desafio que temos pela frente. Ênfase para organização da informação, sem menosprezar a cobertura jornalística clássica. As fontes estão na rede, todas as fontes estão na rede. Não existem dois mundos, o analógico e o digital. Um é extensão do outro. Conteúdo não é consequência da sua capacidade escrevinhadora. O conteúdo é o ponto de partida para a articulação da sociedade em torno dos seus interesses. O momento hoje é das redes digitais. A geração de conteúdo – monitoramento + curadoria + edição jornalística (agregação) – é o caminho para construir redes digitais de interesse específico ou de nicho, redes sociais dentro da rede e o conjunto das mídias que a compõe.

O jornalista Frédéric Filloux, hoje um analista e consultor do setor, argumenta que o drama das tradicionais empresas jornalísticas (e dos jornalistas) é que ambos se sentem intelectualmente superiores aos mortais comuns. Em função disso, não mergulharam nas peculiaridades da internet. A principal delas é a capacidade do algoritmo de criar comunidade sobre comunidade a partir do nada. Nós jornalistas não somos o farol do mundo, somos uma ferramenta do público. Tanto nós quanto as empresas jornalísticas precisamos recuperar o papel de intermediário, de filtro, e abandonar os arroubos de ‘autoridade’, de donos da verdade.

A oportunidade está aí, num mundo mais fragmentado, complexo e rico. Monitoramento e curadoria (contexto e perspectiva) em processos organizados é o mercado para os velhos players. E é a Demanda Zero para a imensa maioria dos usuários da rede, vítimas da balbúrdia opinativa das mídias sociais. A notícia é o início da conversa, abre a porta para o diálogo, um convite para a participação. O negócio dos jornais é consequência da sua capacidade de articular públicos em torno de ideias, sonhos, problemas, consumo. A informação, editorial e comercial, é ferramenta. Nada mudou. Ficou mais complexo e rico.

A Web é infraestrutura, além de fonte básica sobre qualquer matéria. Uma redação tem de estar preparada para “editar” a rede, com um determinado olhar, foco, viés, e com isso contribuir para a articulação de públicos, para a articulação da sociedade em torno dos seus interesses. A Web é um ecossistema mais complexo e fragmentado, composto por novas ferramentas/mídias e processos de interação, com uma dinâmica evolutiva jamais sonhada.

Rede social é a base das suas relações, seja você um indivíduo, uma entidade, uma empresa, um setor da economia, um partido político, uma igreja, o que for. Fornecer a arquitetura e estruturar estes processos na rede e suas ferramentas/mídias é a extensão natural do papel histórico dos jornais, das tradicionais empresas de informação, do mundo analógico para a sua extensão digital. Da informação segmentada para setores da sociedade para a organização de setores por meio da curadoria, agregação e articulação da informação do público, o que significa também geração de informação. O conteúdo ganha novos significados, num novo contexto, mas com a mesma perspectiva.

Não é mais possível menosprezar ou ignorar as novas possibilidades de organização que a Web nos traz. Os impactos vão da relação capital versus trabalho, à interação com o mercado; a nova infraestrutura permite e fomenta novas arquiteturas de negócios, novas arquiteturas de relacionamento político e novas arquiteturas de relacionamento social. Ela não é só um novo meio de armazenamento, processamento e distribuição de informação. É muito mais do que isso e, embora não seja a causa primária, compreendida em toda a sua dimensão, ajuda a entender a profundidade e extensão da crise global que estamos vivendo.

O jornal é um conceito, o ponto de encontro, a Ágora da pólis, a cidade-Estado na Grécia da Antiguidade clássica. Esta missão está viva na rede. A demanda de serviços e produtos de informação para a articulação e organização da sociedade é enorme. Os processos informativos das mídias sociais são um novo componente, mas ainda não conformaram o ponto de encontro, a praça para a reflexão sobre onde estamos e para onde vamos. O jornal de papel não desaparece neste processo, ele complementa a landing page para público, o eixo de sustentação deste novo processo, num conceito que vai muito além do de home pages concebidas para distribuir informação ao invés de servir como ponto de encontro para a reflexão e o debate.

Eleição e civilização

Eleição e Civilização
Rodrigo Lara Mesquita, artigo publicado no Estadão, 16/9.

A computação, o software e as telecomunicações, cuja síntese é a Internet, tiraram o domínio do público das tradicionais empresas de informação e colocaram o indivíduo no centro do processo de comunicação. Situação que está subvertendo a arquitetura de todos os processos sociais, econômicos e políticos, neste início do século 21. Trazendo definitivamente para o dia a dia da sociedade um grau de insegurança sobre o futuro que nenhuma das gerações anteriores à nossa sofreu.

O teórico da comunicação Harold Innis, mentor de Marshall McLuhan, considerava que os impérios começavam a morrer quando sua “linguagem” se desestruturava em função de um movimento de inovação tecnológica, normalmente precedida de uma crise de suprimento da matéria prima dos meios de comunicação da época, da argila ao papiro e o papel.
Linguagem aqui no sentido de toda a sua estrutura, arquitetura e consequente dinâmica de comunicação. Dos impérios que precederam Grécia e Roma à nossa época da comunicação de massa, a partir da produção industrial do papel imprensa até chegar à Internet, que será o eixo principal da nova “linguagem do novo império” – a sociedade em rede – e está promovendo a nova ruptura.

Até 2025, estaremos vivendo num “ambiente computacional imersivo, invisível, ambiental e conectado, construído a partir da contínua proliferação de sensores inteligentes, câmeras, softwares, databases e imensos centros de dados em um tecido de informação que envolverá o planeta, chamado Internet das Coisas,” conforme avaliou um recente trabalho do PewResearch Internet Project (veja a apresentação em ppt da pesquisa na postagem abaixo), respeitado centro de pesquisa e think tank dos EUA, com pouco mais do que 2.500 cientistas pesquisadores, autores, editores, jornalistas, empreendedores, líderes de negócios, desenvolvedores de tecnologia, ativistas, futuristas, consultores, legisladores e advogados. Parte da elite norte-americana.

Neste contexto “imersivo” conviveremos com “aplicações de realidade aumentada sobre o mundo real, que serão percebidas através do uso de tecnologias portáteis/vestíveis/implantáveis.” E assistiremos “a ruptura dos modelos de negócios estabelecidos no século 20 (com maior impacto sobre as indústrias financeira, de entretenimento e a de educação).” A etiquetagem, catalogação e mapeamento analítico inteligente dos mundos físico e social serão uma realidade, que poderá ser usada tanto para o bem quanto para o mal.

O Brasil está preparado para este cenário? Nossos governantes, políticos, empresários, cientistas, profissionais liberais, trabalhadores têm consciência deste processo irreversível?

Não conquistamos sequer os fundamentos da sociedade do século 20, que se vai. Educação, saneamento básico, segurança, infraestrutura e um arcabouço político minimamente preocupado com a sociedade e seu futuro são as reivindicações da sociedade que ainda não conquistou cidadania plena. Na campanha eleitoral, as bandeiras são estas questões e as promessas de governar com seriedade. Nada em relação a este futuro e seus processos de disrupção e reconstrução contínua. Esta eleição ainda não promoverá um movimento civilizatório.

A turbulenta próxima década da Internet é o título da pesquisa do PewInternet. E o universo pesquisado, os 2.500 cidadãos da nata da elite norte-americana, não é pessimista sobre o futuro. Têm consciência de que serão tempos difíceis, com “a Internet sendo ‘como a eletricidade’ — menos visível, mas mais profundamente inserida na vida das pessoas”, tanto em termos positivos como negativos. Um cenário que levará a melhorias na saúde, conveniência, produtividade, segurança e muito mais informações úteis ao mesmo tempo em que gerará mais ameaças à privacidade, expectativas irrealistas e alta complexidade tecnológica.

No trabalho da PewInternet são traçados horizontes pessimistas e otimistas sobre o nosso futuro. Vão do crescimento do abismo entre pobres e ricos à possibilidade de governos e corporações, pressionados pelas mudanças, tentarem reforçar seu poder, invocando segurança e normas culturais, no contexto pessimista, e, no otimista, passam por uma revolução na educação em função da rede criando mais oportunidades para todos, reforçando relacionamentos planetários e menos ignorância e vão à maior conscientização do nosso mundo e de nós mesmos gerando ações políticas pacíficas e o compartilhamento de informações integrado sem qualquer esforço à vida diária das pessoas.

Cabe às nossas elites se conscientizarem sobre este processo e liderar um movimento civilizatório que permita ao Brasil superar seu atraso secular em relação às questões como cidadania e avançar sobre este novo tempo investindo o que for necessário em infraestrutura tecnológica e educação. A Internet não é apenas um monte infinito de informações. Ela tem vida. Tem alma. Quando você entra nela e aprende a ouvi-la, com a devida atenção e cuidado, você aprende com ela, que reflete os anseios da sociedade. Não existem dois mundos: um analógico, outro digital. Um é a extensão do outro.

Parafraseando o historiador Fernand Braudel, “vivemos no tempo curto, o tempo da nossa própria vida, o tempo dos jornais, da rádio, dos acontecimentos, em companhia dos homens importantes que dirigem o jogo ou julgam dirigi-lo. É exatamente o tempo, no dia a dia, da nossa vida que se precipita, que se acelera, como que para se queimar rapidamente de uma vez por todas, à medida que envelhecemos. Na verdade é apenas a superfície do tempo presente, as vagas ou as tempestades do mar. Abaixo das vagas há as marés. Abaixo dessas estende-se a massa fantástica da água profunda.”

É este o sentido civilizatório que nossas elites devem promover. A alternativa é o risco de caos, com momentos de anomia e conflito social.

O novo ecossistema da informação, comunicação e articulação da sociedade

Reuters Institute Digital News Report 2013: Pontos Chave

O Reuters Institute Digital News Report revela novos insights sobre o consumo de notícias digital baseado em uma pesquisa representativa dos consumidores de notícias online no Reino Unido, EUA, Alemanha, França, Itália, Espanha, Brasil, Japão e Dinamarca.

news_pagas_quem

A pesquisa está neste link com dados exclusivos e análises sobre a ascensão de tablets e smartphones, as diferenças de consumo em função de gerações e do país de uso da mídia, o crescimento do pagamento notícias digitais e o papel da marca e confiança em um mundo multi-plataforma cada vez mais competitivo.

Os norte-americanos estão mais distantes das notícias

See on Scoop.itJournalism and the WEB

Rodrigo Mesquita‘s insight:

state fo the media 2013: a queda da amplitude e qualidade de cobertura jornalistica das tradicionais empresas de informação, que não foi complementada pela ação dos puros players, vem afastando os norte-americanos das notícias.

que consequências este processo terá para a democracia e economia de mercado?

“Notícias não mudam o mundo, mas nos dão uma nova inteligência e as ferramentas com as quais explorá-la – uma fonte de modelos compartilhados a respeito do mundo. Notícias não nos dizem o que pensar ou para onde ir, mas nos ajudam a navegar. Notícias abrem a porta para participação.”

“Organizações jornalísticas devem continuar a fornecer notícias para indivíduos e conhecimento enciclopédico sobre suas comunidades. Mas também devem reconhecer o papel dos consumidores como produtores. O futuro do setor é tanto de construção quanto de consumo. O impacto de “ser digital” é a emergência de uma nova relação entre editores e seu público: tornar as notícias mais relevantes ao construir conexões entre fornecedores de notícias e consumidores.”

Walter Bender

See on stateofthemedia.org

Quem está na frente no mundo digital

See on Scoop.itJournalism and the WEB

See on stateofthemedia.org

Page 1 of 6

Desenvolvido por SELVA/LAB