Navegando pela internet, nesta quinta-feira, dia 28 de fevereiro, fui bater nesta entrevista dada no final da década de 90, quando dirigia a Agência Estado. Apesar de não usar a palavra disrupção, hoje tão comum nos meios que acompanahm a indústria da informação, ela está nas entrelinhas das minhas respostas. Iniciei  o projeto AE – transformar uma unidade operacional de O Estado de S Paulo numa moderna turbina informativa para o mercado – em 88. Já naquela época, tinha consciência de que os jornais iriam perder o domínio sobre os classificados – os pequenos anúncios de empregos, imóveis, carros, oportunidades – para a computação e as telecomunicações. Tudo isso e mais a visão de que o futuro do modelo de negócios seria moldado sobre processos de gestão de relacionamento de setores e segmentos da sociedade, está nesta entrevista. Por isso, não resisti em republicá-la no meu blog.

Rodrigo Mesquita

Diretor da Agência de Noticias Estado do grupo O Estado de São Paulo

Entrevista concedida a Eugênio Araújo

Título: O futuro das agências de notícias e negócios

Fonte: Site Máster em jornalismo/Universidade de Navarra

Master em Jornalismo – Qual o futuro das agências de notícias, em um mercado de informação como o atual, com uma quantidade de informação gratuita ao alcance dos usuários?

Rodrigo Lara Mesquita – Não me atreveria a falar sobre este assunto da perspectiva das agências de notícias globais. A Agência Estado é uma empresa de informação nascida num país de dimensões continentais e com um potencial econômico que supera em muito o da média dos países da América Latina. Falando a partir desta perspectiva e considerando a tremenda e profunda evolução que as tecnologias de informação estão sofrendo, considero que o futuro das agências de notícias é extremamente promissor se elas souberem, como outros meios de informação, se transformarem e se adaptarem a uma realidade – também em função da evolução das tecnologias de informação – dinâmica e mutante como nunca antes na história.

Cada um dos meios de informação – o jornal, as rádios, as TVs e as agências com seus conjuntos de serviços – é uma plataforma de relacionamento com o público. A Agência Estado trabalha com dezenas de plataformas diferentes, com características específicas, conforme o mercado/comunidade que ela vem procurando desenvolver (veja em Estadão). Hoje, o negócio que menos cresce da AE é o seu serviço voltado para o mercado tradicional das agências de notícias – o mercado de meios: jornais, revistas, rádios e TVs. Apesar disso, a AE considera esta plataforma de negócios estratégica em função das oportunidades sinérgicas que ela lhe abre em relação aos demais serviços que oferece aos diversos mercados/comunidades que vem desenvolvendo e procurando fidelizar: financeiro, nove setores da indústria brasileira, o agronegócio – do setor financeiro à produção – e os players do mercado/comunidade mídia.

Hoje, quase 100% da nossa receita é conseqüência de assinatura. Mas trabalhamos com a perspectiva de que, no futuro, a receita será conseqüência da geração de negócios para as comunidades que servimos. Quero ressaltar com isso que, no momento, sinto uma tendência no mercado de fechamento de serviços de informação com real valor agregado. Para citar um só exemplo, falemos do FT.com (Financial Times), um serviço que nasceu aberto e custou cerca de US$ 200 milhões de perda para a Pearson e que recentemente foi fechado e cujo modelo de negócio vem sendo reconstruído.

Master em Jornalismo – Qual é o papel e quais são as estratégias das agências perante os novos meios e as novas tecnologias? A Internet é a saída natural e a ferramenta do futuro para as agências de notícias?

Rodrigo Lara Mesquita – Não me atreveria a falar sobre este assunto da perspectiva das agências de notícias globais. A Agência Estado é uma empresa de informação nascida num país de dimensões continentais e com um potencial econômico que supera em muito o da média dos países da América Latina. Falando a partir desta perspectiva e considerando a tremenda e profunda evolução que as tecnologias de informação estão sofrendo, considero que o futuro das agências de notícias é extremamente promissor se elas souberem, como outros meios de informação, se transformarem e se adaptarem a uma realidade – também em função da evolução das tecnologias de informação – dinâmica e mutante como nunca antes na história.

Master em Jornalismo – Qual o futuro das agências de notícias, em um mercado de informação como o atual, com uma quantidade de informação gratuita ao alcance dos usuários?

Rodrigo Lara Mesquita – Na minha visão de futuro, o jornal de papel está condenado, o papel do jornal é perene. Quero dizer com isso que não vejo a Internet/Redes como um novo meio que compete com os que conhecemos. Vejo a Internet/Redes e seus sucedâneos como uma nova infra-estrutura que permeará e sustentará todos os meios de comunicação social num movimento convergente. Qual é o papel do jornal? Ele representa, em última instância, o ponto de encontro das comunidades que serve para refletir, analisar e debater sobre os problemas que lhe afligem. O jornal tem que cobrir os movimentos macro da história traduzidos no dia-a-dia, com a missão de fornecer para o leitor a perspectiva, a interpretação isenta, o contexto, a análise.

Os serviços que a AE vem desenvolvendo nos últimos 15 anos para desenvolver e fidelizar novos mercados/comunidades têm outra função. A função destes serviços/plataforma de relacionamento – compostos por informação e tecnologia – é instrumentalizar o cidadão enquanto agente econômico e contribuir para que cada uma das cadeias econômicas destas comunidades seja mais eficaz e competitiva em níveis locais e globais.

Master em Jornalismo – O êxito será das agências globais, as grandes, ou será das pequenas e mais flexíveis? Que papel tem a especialização? Quais as vantagens e inconvenientes se se tem em conta exemplos como os da Reuters e sua atual situação?

Rodrigo Lara Mesquita – Não me sinto capaz para responder sua pergunta. O que posso dizer é que a AE é líder no mercado/comunidade financeira no Brasil – temos 60% deste mercado contra Reuters, Bloomberg e mais três pequenas empresas locais. Por quê isso ocorre? Porque Reuters e Bloomberg trabalham com o mesmo produto distribuído em todo o mundo. O mercado financeiro tem necessidades de uma cobertura que vai além da sua tecnicidade. Nosso acompanhamento dos movimentos da macroeconomia brasileira e dos impactos da política nacional sobre os mercados e a economia fazem a diferença. Se Reuters e Bloomberg resolverem fazer esta cobertura no Brasil, o negócio deles ficaria inviável em função dos custos. Além disso, por causa da escala e nossas especificidades, trabalhamos com preços competititivos.

A AE pretende dar uma contribuição para a competitividade da economia brasileira como um todo. Sua lógica operacional não tem nada a ver com a de empresas de informação globais. Sua plataforma de relacionamento para o mercado/comunidade financeira acaba sendo o filtro de todo este esforço de cobertura. É isso, junto às competências tecnológicas e comerciais que conquistamos em função das especificidades do mercado brasileiro, que  permite a AE ser competitiva em relação à Reuters e Bloomberg.

Acredito que a evolução da Internet/Redes e seus sucedâneos abrirá espaço no futuro para uma infinidade de negócios pequenos e grandes – não só na indústria da informação. O movimento de concentração/monopolização – em certa medida, conseqüência da “idade da pedra” no mundo das redes – já sofreu seus primeiros impactos negativos.

Master em Jornalismo – Também se fala muito de redações multimídia. Que realidades apresenta a Agência Estado neste sentido? Que importância tem conseguir uma verdadeira redação multimídia e uma convergência real? O que se está fazendo na sua empresa neste sentido?

Rodrigo Lara Mesquita – A AE é pioneira na montagem de uma estrutura de produção editorial integrada em seus diversos níveis. Construiu uma redação capaz de gerar conteúdos em formatos diversos e destinados a públicos também diferenciados. Mais recentemente, incorporamos à nossa redação os instrumentos necessários para a produção de conteúdos de aúdio e vídeo, o que nos permitirá abranger todo o ciclo de produção jornalística. Para nós, conceitos como convergência e multimídia já são plena realidade.

Temos uma única redação composta por cerca de 150 jornalistas e um único sistema editorial. Considero que somos uma turbina informativa adequada para o momento que vivemos. A AE tem consciência de que a dinâmica das atuais redações deve acompanhar as possibilidades que a tecnologia nos abre todos os dias.

Master em Jornalismo – Em quê se diferencia a Agência Estado de outras agências? Detalhes peculiares e definitivos.

Rodrigo Lara Mesquita – O foco da AE na economia brasileira define sua principal peculiaridade. A consciência de que, a médio prazo, a relação com as comunidades econômicas que vimos desenvolvendo devem caracterizar a AE como uma empresa de network e não de business information definem as demais peculiaridades. A AE, uma empresa totalmente virtual, é um planeta com dezenas de satélites ligados virtualmente a ela. Se considerarmos os dados dos pregões das bolsas, cerca de 90% dos conteúdos que distribuimos em nossas plataformas de relacionamento são de terceiros, de parceiros da AE. Considerando só conteúdos-texto, cerca de 60% dos conteúdos são nossos. O resto é de terceiros.

Vivemos uma época de revolucionários avanços tecnológicos que levaram o ambiente de negócios a se caracterizar pelo que o laboratório de mídia do MIT (Media Lab) e a Solan School of Business definiram como “o movimento das grandes convergências”. São elas: a convergência entre pesquisa e desenvolvimento; a convergência entre redes de comunicação e mercados, cada vez mais difíceis de se distinguir; a convergência entre precificação e mecanismos de relação comercial com o mercado; a convergência entre design e engenharia; a convergência entre produto e serviço; a convergência entre conteúdos e transações; e a convergência entre front e back office.

É evidente que estes movimentos têm impactos ainda impossíveis de serem mensurados em toda a sua magnitude na estrutura da economia conhecida. Para Walter Bender, diretor do Media Lab, “há duas revoluções fermentando. A primeira é uma revolução de comunicação interpessoal. A segunda revolução não é de tecnologia, mas de epistemologia e aprendizado. Construcionismo, aprender fazendo; é a revolução de Dewey, Piaget e Papert. O aprendizado acontece melhor não no espaço formal da sala de aula. Ele acontece em aplicações concretas. Eis porque devemos buscar construir ambientes para fazer”.

Não é esta a lógica do mundo tradicional de negócios, mundo acostumado com empreendimentos com break-even point e pay backs previsíveis. A consciência de que tem que construir uma empresa que lhe permita aprender fazendo (e renumerando o capital social) disseminada pelos profissionais que compõem o negócio faz a diferença. Os profissionais da AE sabem que a empresa terá que se reinventar a cada dia, na medida em que as tecnologias de informação forem se desenvolvendo e que o público for se aculturando a elas. É este o fator determinante do processo, o aculturamento do público às possibilidades ainda restritas do mundo em rede.

Além disso tudo, a AE é detentora de uma certa cosmovisão. Herança positiva de uma empresa familiar e, na minha opinião, fator decisivo para o sucesso de uma empresa de informação. Considero a Agência Estado uma empresa única.