“Organizações jornalísticas devem continuar a fornecer notícias para indivíduos e conhecimento enciclopédico sobre suas comunidades. Mas também devem reconhecer o papel dos consumidores como produtores. O futuro do setor é tanto de construção quanto de consumo. O impacto de “ser digital” é a emergência de uma nova relação entre editores e seu público: tornar as notícias mais relevantes ao construir conexões entre fornecedores de notícias e consumidores…. Notícias não mudam o mundo, mas nos dão uma nova inteligência e as ferramentas com as quais explorá-la – uma fonte de modelos compartilhados a respeito do mundo. Notícias não nos dizem o que pensar ou para onde ir, mas nos ajudam a navegar. Notícias abrem a porta para participação”. (Walter Bender, num texto para a ANJ, Associação de Jornais do Brasil, em 1999)

Abaixo, o depoimento de Alexandre Machado sobre como se informa no seu dia a dia (para levar notícias a você), nestes tempos da encruzilhada do futuro do presente.

Você sabe, a pressão por informação começa cedo para mim. Faço o “Começando o Dia” na CulturaFM  a partir das 8 hs. Da manhã de 2ª a 6ª . Às 6 hs estou na rádio e tenho uma hora e meia para escrever o programa. Tenho Estadão e Folha em papel e percorro religiosamente os sites de O Globo, El Pais, Al Jazeera, New York Times e BBC; dou uma passada diária no Le Monde e no Guardian e depois dou uma bicada variada (Valor Econômico, La Republica, Clarin, Wall Street Journal, Libération, etc). No fim da semana e na segunda rodo os sites das semanais brasileiras; não esquecer do The Economist. A Globonews é companhia importante tanto na preparação do programa (Globonews Notícias das 6 e das 7) como no resto da manhã quando abro informações para produzir o programa nos dias seguintes. Revistas: Bravo, Concerto e Piaui. Passeio muito pelos blogs políticos com destaque para Ricardo Noblat. Uso bastante o Facebook para contato com públicos qualificados ( a CulturaFM tem 85% de audiência nas classes A e AB). Não tenho disponibilidade pessoal para Twitter. Tumblr e Instagram ainda não. E o telefone—fundamental para nós jornalistas— trabalha o dia inteiro. E vai por ai afora.

Abração, Alexandre